Tecnologia

Boas maneiras e escrita correcta, entre os factores determinantes para conquistar um emprego nas redes sociais

dd

Mário Chuva, especialista em Estratégias de Marketing Digital

Mário Chuva, especialista em Estratégias de Marketing Digital

O dia 30 de Junho é data que se celebra a criação das redes sociais. O site americano “Mashable” definiu a data em 2010, para reflectir a revolução digital, suas vantagens e desvantagens no mundo.
Numa entrevista cedida a TPA online, o Especialista em Estratégias de Marketing Digital, Mário Chuva, defendeu que, no geral, os angolanos devem melhorar os seus conteúdos nas redes sociais e ver soluções inteligentes para sociedade no mundo digital.
TPA Online – Que avaliação faz do uso das redes sociais em Angola? O que deve melhorar?
M.C - O uso das redes sociais em Angola tem aumentado a cada ano, em consequência do aumento dos usuários com acesso a internet. Segundo o Ministério das TICs, divulgado em 2020, aponta que quatro a cada dez angolanos estão conectados à rede. Os dados consideram 5 milhões de angolanos, com 4 anos ou mais. Minha avaliação é que tudo indica um momento extraordinário e que o telefone é o aparelho mais utilizado para o acesso – 98% de alunos e clientes, mostram utilizar o telefone móvel para navegar pela rede digital.
No geral, o que deve melhorar é mais conteúdo para se informar e compartilhar, mais relacionamento, aprender mais com os outros, ver soluções inteligentes para sociedade, criar ferramentas de ajuda as redes sociais podem ser um atalho para uma vaga no mercado de trabalho.
TPA Online – Como um jovem desempregado deve usar as usas redes sociais para conseguir um emprego ou criar o seu próprio emprego?
M.C - Primeiro para quem vai criar seu próprio emprego o Facebook é a rede mais famosa que existe em Angola, o número estimado é 6 milhões de usuários.
Mas existem outras redes sociais que podem ser exploradas. O Instagram tem um nível de engajamento fortíssimo. Ou seja, por meio dele, muito mais do que likes, você pode obter envolvimento, interacção e relacionamento com os seus clientes.
O LinkedIn é a maior rede social voltada para o mercado de trabalho. É ideal para interagir com os usuários, divulgar a marca e até mesmo recrutar funcionários. Para ajudar as pequenas empresas, o LinkedIn lançou uma série de guias.
Agora para conseguir um emprego sugiro boas maneiras efectivamente benéficas aos usuários, é importante seguir uma conduta positiva nas redes sociais para garantir uma boa imagem, caso um recrutador busque mais informações sobre você.
As informações e as publicações evite, o ideal mesmo é inserir dados sobre sua vida académica e profissional, além de projectos e cursos que participou. Procure ser coerente e cuidado com o que é compartilhado e dito em suas publicações!
O outro factor de grande importância é a escrita correcta.
TPA Online – O que lhe preocupa quando o assunto é desvantagens das redes sociais?
M.C - Dentre varias desvantagens de usar as redes sociais provavelmente todos nós por algum descuido nos sentimos atraídos com a perda de concentração e a procrastinação (adiamento de uma tarefa).
É que são tantas informações, tantas novidades o tempo todo, que muitas vezes acessamos uma rede social por um fim específico e nos perdemos em outras coisas que nos chamaram a atenção.
Se não mantermos o foco, podemos perder horas a navegar e deixamos de fazer actividades que são mais importantes do nosso dia a dia. Podemos atrasar trabalhos, ou gastar horas com assuntos que não nos estão acrescentando nada.
Além disso, muitas vezes nos esquecemos da nossa vida ‘real’, nos tornamos seres muito sociais nos meios digitais e ao mesmo tempo nos fechamos para as pessoas que convivem connosco no dia a dia.
Por isso, é importante saber evitar graves males no uso das redes sociais, ter moderação, foco e bom senso.
TPA Online – Com quantos anos uma criança deve começar a utilizar as redes sociais?
M.C - No mínimo 10 anos. Claro, com toda atenção dos pais e mais velhos de casa.
TPA Online – Chuva vem de uma escola brasileira, a onde a competitividade de mercado é bem maior que a nossa, como os pequenos e médios empreendedores devem se posicionar nas redes sociais?
M.C - O mundo ao nosso redor tem ficado cada vez mais digital. Não é difícil chegar a esta constatação, que o Brasil é um dos países mais Digital em termos de serviços, tecnologia, economia, produtividade online, uma vez que basta olhar em volta para perceber que muitas coisas que antes fazíamos “offline”, hoje estão a migrar em grande velocidade para o novo universo online. Nós em Angola, acredito que temos já percebido essa mudança de comportamento, por conta do um pouco da pandemia da Covid19, vejo uma exploração profunda em vários segmentos do digital, serviços, produtos, mas sinto uma compreensão melhor dos negócios emergentes que tem sido desafiados a inovar. Mais e mais organizações e instituições estão descobrindo que podem desenvolver estratégias, altamente eficientes para atingir o seu público-alvo com ainda mais assertividade do que antes e o melhor de tudo isso, é que não são só as pequenas e medias empresas, e como grandes corporações que ganham destaque no universo digital, as pequenas empresas também têm um espaço reservado para se posicionarem e tornarem-se reconhecidas no mercado, não só por seus clientes, mas também por concorrentes, fornecedores e demais influenciadores do negócio como um todo.
TPA Online – Uma empresa bem sucedida, com um número de clientes que satisfaz, tem que necessariamente aderir as redes sociais, quando já conquistou o seu público?
M.C – Sim, urgentemente, porque redes sociais mais do que nunca, já integram a rotina e fazem parte da vida de milhões de angolanos. Só para se ter uma ideia, os angolanos passam, em média, 2 horas diárias a navegar na internet; nas redes sociais, são mais de 4 horas por dia! As informações são do relatório do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social.
O fato é que as pessoas estão conectadas 24h por dia, produzindo e consumindo conteúdo. Nesse contexto, as redes sociais já são plataformas indispensáveis para centenas de empresas em seus modelos de negócios. No entanto, por incrível que pareça, muitos empreendimentos ainda resistem e têm medo de estar nesse ambiente. Independentemente se a empresa está ou não inserida nesse contexto, é importante o meu questionamento imediato: por que o seu negócio não está ainda redes sociais? E respondo, nas circunstâncias que se apresentam hoje, as redes sociais tornaram-se ferramentas poderosas de divulgação e lembrança da marca. Elas dão a possibilidade de interagir e de se aproximar dos clientes, momento em que se deve utilizar todas as estratégias à favor do negócio.
TPA Online – De acordo com as notícias veiculadas no final de 2019, Angola estava com mais de 4 milhões de utilizadores de internet. Para um país com 30 milhões de habitantes ainda é um número reduzindo, na sua óptica o que deve ser feito para aumentar os utilizadores ou incluir mais cidadãos nesta aldeia virtual?
M.C - Vivemos uma nova etapa na história de Angola. Entramos na era da sociedade de informação, que transformou radicalmente a forma como o conhecimento é adquirido, armazenado, processado, transmitido e disseminado. As novas tecnologias de informação e comunicação dissolveram as fronteiras nacionais e propiciaram o surgimento de uma nova configuração social e econômica que coloca o conhecimento de todos no cerne dos processos vividos em sociedade.
Para ampliar mais o acesso às tecnologias da informação, o governo angolano precisa aperfeiçoar e desenvolver, ou melhorar o Programa Angolano de Inclusão Digital, precisamos criar um ambiente institucional que promova a inclusão na sociedade em rede, aproveitar o potencial transformador das novas tecnologias da informação e comunicação para construirmos uma sociedade mais inclusiva e democrática.
TPA Online – Formação profissional por via das Redes Sociais, o que isso lhe diz?
M.C - A Formação Online nos permite organização do tempo, acredito que esta pode ser a causa principal para que o interesse cresça para cursos, workshops, treinamentos e Eu mesmo também me incluo porque ofereço cursos e treinamentos.
Ter um trabalho a tempo inteiro, dificulta em muito a possibilidade de assistir presencialmente às formações que desejam. Para além disso, em muitas ocasiões, os horários de ambos os projectos são incompatíveis sendo assim a formação à distância é uma boa solução. No mundo global em que vivemos, onde nos movemos de um lugar para outro quase de forma constante, as distâncias parecem ter-se encurtado. Graças ao facto de estar permanentemente conectados à internet, já não é relevante o lugar de onde realizamos o nosso trabalho e nossos estudos.
A Educação à distância é extremamente útil, não necessitamos de viajar, apenas precisamos de ter um portátil ou um smartphone à mão, é muito útil e prático. Contudo, não só é benéfico para quem viaja, mas também para quem, por circunstâncias pessoais, permanece em sua casa certas horas do dia. Seja para cuidar dos filhos ou mesmo pessoas mais idosas, ou por outro motivo. Poder formar-se à distância sem sair de casa é muito vantajoso.
TPA Online – Que mudanças as redes sociais proporcionaram as sociedades?
M.C - A maior delas e penso a fundamental, é que a comunicação mudou, as pessoas também. Hoje, você não precisa mais se deslocar para fazer uma reunião de negócios, comprar um produto ou até começar um relacionamento, basta ter acesso à internet e uma conta em uma rede social.
Não dá para negarmos de que a transformação digital mudou a forma de pensarmos e agir nessa nova sociedade. Neste ponto, não estou apenas a falar das interacções entre pessoas, mas da maneira como nos relacionamos com as próprias marcas e empresas. O rompimento das relações unilaterais, levantou muitas questões sobre a liberdade de expressão e o empoderamento.
As redes sociais deram voz aos usuários e retiraram as opiniões do anonimato. Se você compra um produto e recebe com defeito, já pode expor a tua opinião na internet, caso não seja atendido, por exemplo.
A influência das redes sociais no comportamento das pessoas também alterou o consumo de informação. Se por um lado, o uso da internet é importante para estreitar relacionamentos, por outro foi responsável pela criação de diversas síndromes.
O acesso à tecnologia está prematuro, por isso é natural que crianças se tornem dependentes, antes de pronunciarem a primeira palavra.
Isso mostra que, ficar quase quatro horas pode parecer uma acção inofensiva, mas ainda desperta comportamentos nas redes sociais de estresse e ansiedade, dependendo da situação psicológica de cada indivíduo.
Claro que existe sempre a possibilidade de compartilharmos uma informação em tempo real, expor opiniões, criar movimentos sociais de grande benefício que não podem passar despercebidos, sem citar as vantagens relacionadas ao uso profissional.
Há quem julga que a privacidade ainda é um dos assuntos que mais causam polêmica nas redes, porém, os benefícios apontados e as crescentes melhorias tecnológicas ainda superam os conflitos existentes.
Estamos todos conectados.
TPA Online – Sabemos que trabalha com o Marketing Digital, como esta Angola a nível de desenvolvimento do digital e soluções?
M.C - São muitos factores que vão mudar a curto prazo. Acredito que os grandes anunciantes vão reduzir campanhas, porque não faz sentido anunciar para as pessoas saírem das suas casas. Em virtude disso, muitas das mídias tradicionais vão sofrer. A mídia out of home pode inclusive até falir se a pandemia e esta situação perdurar por muito tempo.
No que diz respeito aos negócios online, os produtos digitais com certeza vão sofrer menos e continuar vendendo e em alguns casos até ter alta. Isso até os estoques acabarem, afinal, todo mundo depende de alguma maneira de fábricas e distribuição. As fábricas, por sua vez, devem reduzir por conta dessa recessão.
No relacionamento com o cliente, é uma oportunidade das marcas adoptarem estratégias mais avançadas de marketing de relacionamento - lives, webinars, video calls. Isso também fala um pouco do posicionamento das empresas em termos de marketing: o que elas estão a fazer para prevenir que o coronavírus esteja presente nos seus produtos e serviços? Vai ser preciso criar conteúdos e explicar isso para o mercado.
Pensando em longo prazo, com relação a preços, teremos uma queda em relação a produtos e serviços em virtude de duas forças: muitas empresas vão deixar de facturar por um bom tempo e quando voltar a vender, provavelmente vão ter que baixar os preços.
TPA Online – O que vem a seguir depois do Covid19 no Marketing e empresas?
M.C - Todos os empresários e empreendedores devem obrigatoriamente ter um e-commerce.
A covid19 mudou os nossos hábitos de consumo e muitos clientes, de mais variadas idades, perceberam os benefícios de comprar on-line. Roupas, alimentos, móveis, eletrônicos, entre outros itens de diferentes departamentos, serão adquiridos cada vez mais na internet ou em aplicativos.
A logística e cadeia de suprimentos precisam ser gerenciadas. Não basta apenas vender on-line. As empresas precisam garantir que os produtos e serviços adquiridos pelos consumidores cheguem até eles. Para isso, fechar parcerias com fornecedores locais ou de outras regiões vão ajudar na continuidade dos negócios.
As empresas precisam e devem atrair e reter talentos. Atrair os melhores talentos sempre foi um desafio grande para as empresas em Angola por quê? Uma razão simples é que outras países oferecem salários mais altos e pacotes de benefícios mais atraentes.
Um modelo sustentável de negócio deverá ser traçado com urgência, falo quase diariamente em minhas consultorias, temos de pensar mais a longo prazo, ainda mais após o fim da pandemia. A empresa que não planear um modelo de negócio mais sustentável vai encontrar dificuldades em conseguir atrair novos clientes e manter os já existentes. E muito mais actitudes corajosas que passam pela inovação.
 
PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo