Sociedade

Serviço de Telemedicina lançado no Huambo

dd

MINISTRA DA SAÚDE, SÍLVIA LUTUCUTA

Foto: Novafrica

MINISTRA DA SAÚDE, SÍLVIA LUTUCUTA

Foto: Novafrica

O Ministério da Saúde em parceria com o das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, lançou nesta terça-feira, 6, no Huambo, o Serviço de Telemedicina.

O projecto consta de um vasto programa do Executivo que visa garantir a expansão dos cuidados básicos e humanização dos serviços de saúde e proximidade, com recurso às novas tecnologias de comunicação e informação.

O acto presidido pela ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, e contou com as presenças do ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, e da governadora provincial do Huambo, Joana Lina, entre outras personalidades.

O serviço prevê a instalação de uma rede VSAT com cobertura global, kits de telemedicina que serão partilhados entre as unidades hospitalares e demais centros de saúde abrangidos no programa.

O Ministério da Saúde é a entidade coordenadora do projecto em termos de sua operacionalização e conta com o suporte tecnológico do Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, por via da INFRASAT Telecomunicações.

As delegações provinciais de Saúde serão responsáveis pela operacionalização, controlo estatístico e fiscalização dos Centros de Telemedicina, nas unidades hospitalares abrangidas.

Com um período experimental de seis meses, o projecto formou até ao  momento 33 técnicos, entre médicos, enfermeiros e equipa técnica.

Com o lançamento do Serviço de Telemedicina no país, o paciente pode ser atendido independentemente da sua localização geográfica, por um especialista que não é possível encontrar na sua localidade.

Numa primeira fase, os Centros de Telemedicina vão atender consultas de cirurgia, pediatria, ginecologia e obstetrícia, cardiologia e dermatologia.

Além de contribuir para promover as novas tecnologias de informação e comunicação, recorrendo para o efeito à utilização de painéis solares, vai igualmente garantir a assistência médica, sobretudo de especialidades que obrigavam os pacientes a deslocaram-se noutros pontos do país.

Fonte: Cidadao.gov/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo