Sociedade

Ocorrências de perigo podem ser alertadas online

dd

O crescente aumento de casos de violência na capital levou a empresa angolana Tescan a criar um sistema de alerta online, que permite aos utilizadores emitirem avisos à Polícia Nacional ou a familiares, em casos de perigo.
O projecto, denominado Ango Alerta, foi criado por Manuel Mateus, David Nzin-ga, Jean Mateus, José Utola e Branca Cangundo, todos jovens angolanos, para ser um sistema de comunicação e interacção directa, que permite ao utente enviar um alerta à Polícia Nacional, em caso de perigo imediato.
A ideia, como explicou ontem, ao Jornal de Angola, o gestor de projectos da em-presa Tescan, João Miranda, é dar ao público um dispositivo que os permita alertar à polícia e aos familiares, em qualquer situação de emergência. No momento, acrescentou, assinaram um contrato com a Fast Care, empresa ligada às emergências médicas.
“É algo imediato, porque vivemos numa sociedade dinâmica em que as coisas acontecem de um momento para o outro e o perigo está sempre à espreita. Por isso, pensámos em criar este sistema. Ele pode até ajudar a salvar vidas, em casos de risco imediato, porque as informações da pessoa lesada vão estar disponíveis rapidamente”, adiantou João Miranda.
Embora ainda esteja na fase inicial, de divulgação, e os contratos para a implementação estejam a ser mantidos com a polícia, por ser um serviço de natureza pública, cujas respostas vêm dos agentes da ordem pública, os criadores do Ango Alerta têm pretensões de o estender para outras unidades de intervenção rá-pida, como a dos bombeiros e hospitalares.
“A segurança pública é uma questão que aflige a todos, por isso precisamos que o Estado seja o suporte, prático e financeiro, do projecto, em particular a polícia. A intenção é salvaguardar o cidadão”, defendeu, acrescentando que por o Ango Alerta dar informações pessoais a Tescan criou algumas medidas de segurança. Inicialmente, ga-rantiu, o serviço vai ter cinco pessoas nas emergências do utilizador, que vão ser alertadas em casos de perigo. “Ve-mos diariamente acidentes, por exemplo rodoviários, que quando acontecem as pessoas chegam, tiram fotos, mas ninguém sabe quem é a vítima. O aplicativo permite lançar um alerta para os familiares destes, a partir de qualquer dispositivo, desde que haja uma imagem ou dados sobre a vítima”, explicou.
Sem ter ainda uma previsão de chegada oficial no mercado, o sistema, que já foi apresentado ao público e aos dirigentes do Ministério do Interior, permite que o Ango Alerta possa ser “baixado” no telemóvel, como um programa de computador normal. “A pessoa só tem de premir um botão do telefone para o sistema lançar o alerta”, aclarou, adiantando que só estão à espera de uns acordos com os órgãos de segurança pública, para avançar com o projecto.
A empresa Tescan, criada por jovens angolanos, vai apenas, esclareceu João Mi-randa, monitorar o sistema de segurança, em especial a parte cibernética. “Trabalhámos neste programa durante anos. Agora queremos ganhar espaço no mercado, mas através da criação de soluções corporativas de segurança pública”, concluiu.

FONTE:JA/AG

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo