Sociedade

Bispos da CEAST criam floresta denominada "Laudato Si"

dd

Munícipes do bairro 4 de Março, comuna do Forte Santa-Rita, município de Moçamedes, contam desde sábado, com uma floresta denominada "Laudato Si", onde foram plantadas 400 árvores de várias espécies pelos bispos da CEAST.

A plantação de árvores e a criação desta floresta que doravante será denominada por “ laudato Si”, consta no programa das actividades da primeira assembleia plenária anual dos bispos da CEAST que decorre de 6 a 14 do mês em curso nesta cidade.

No acto do lançamento deste grande projecto da igreja católica, D. Gabriel Mbiling, Arcebispo do Lubango, e Presidente da Comissão Episcopal da Justiça e Paz da CEAST, disse que, a terra é um sistema com recursos limitados e com valores que precisam de ser protegidos, pois nela nota-se uma crise ecológica ambiental que é consequência dramática da actividade descontrolada do ser humano.

Disse que actualmente se assiste muitas atitudes que prejudicam o ecossistema, como, por exemplo, a exploração desordenada de recursos minerais, a caça furtiva, as queimadas de imensas extensões de terra, a exploração de madeira ou corte de árvores sem substituição, a poluição das águas, o lixo produzido e não reciclado.

“ Tudo isto constitui um desequilíbrio do ambiente e um consequentemente holocausto da humanidade”, disse o prelado.

Dom.Gabriel Mbiling disse ainda que actualmente Angola debate-se com o problema da desflorestação e erosão dos solos que ameaça o habitat de numerosas comunidades e a diversidade biológica, a exploração mineira com elevada dose de irresponsabilidade no que às leis ambientais diz respeito e a poluição de recursos hídricos.

Apontou a necessidade de se evitar a destruição da biodiversidade na natureza, não comprometendo a integridade da Terra e contribuir sim para a mudança climática, desnudando a Terra das suas florestas naturais ou destruindo as suas zonas húmidas, evitando contaminar as águas, o solo, o ar, entre outros recursos.

Salientou que a igreja, ante a esta ameaça, não pode ficar indiferente, pois é chamada a tomar posição, educando todos para que estes se tornem protagonistas da manutenção e desenvolvimento da vida, “ como insistiu o Papa Francisco na carta encíclica Laudato Si, abrindo um diálogo com todos acerca da nossa casa comum “.

“ Na visão do Santo padre, os problemas ambientais afectam primeiramente e de forma mais incisiva aos pobres, como na escassez de recursos hídricos e a sua péssima qualidade para o consumo dos mais desfavorecidos.

Nesta zona foram plantadas pelos bispos e alguns membros do governo plantas de espécies  Prosopis , Shinus molle, gliriiclea Sapium e a Mopane ( Mutuaty) planta nativa desta região .

TPA com Angop/LD

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo