Sociedade

Automobilistas agastados com falta de conclusão da estrada Sumbe/Lobito

dd

Os automobilistas que circulam no troço Sumbe/Lobito, num percurso de 180 quilómetros, manifestaram-se agastados com o atraso na conclusão das obras, que liga as províncias do Cuanza Sul e de Benguela.

Em declarações, quarta-feira, à Angop, os entrevistados foram unânimes em dizer que a situação é bastante preocupante, na medida em que nos períodos chuvosos põe em risco as viaturas, devido os desvios feitos.

Para o automobilista Paulino Joca, os trabalhos estão muito lentos, visto pelo tempo que iniciaram com as obras elas já estarias concluídas.

Sublinhou que neste período de chuva, a estrada fica sem circulação, porque as viaturas de longo porte não conseguem transitar, visto que ficam entaladas na lama por má compactação do terreno.

Já o técnico de construção civil, Manuel Alfredo Sobral realçou que as empresas que foram adjudicadas este troço deveriam fazer um estudo do tempo e a reabilitação, para não criarem constrangimentos nos automobilistas.

Disse que as empresas estão a tirar todo tapete asfáltico, quando não terminaram com um troço iniciada há mais de três meses, por isso, eles deveriam reabilitar de forma faseada, devido as fortes chuvas que se fazem sentir na região.

Márcio Gabriel, transportador de produtos agricolas do Namibe para Luanda, considera que a situação é extremamente complicada, porque os camiões carregado se chover tem que ficar dois a três dias, para puderem circular e a mercadoria apodrece no local.

“É preciso que as autoridades de direito velam por esta situação, visto que está a por em risco o "ganha pão" de muita gente”, disse.

Frisou que água que vem directamente do rio é um perigo eminente para saúde humana, por isso, as autoridades afins devem criar mecanismos para sua resolução imediata.

Para o vice-governador provincial para área Técnica e Infra estruturas, Demétrio Sepúlveda, em declarações à imprensa, adiantou que a situação é constrangedora para os automobilistas que circulam nesta via, visto que quando chove não se consegue circular, devido a lama. 

Aconselhou os automobilistas a manterem-se calmos, que as empresas adjudicadas as obras estão à trabalhar no sentido de entregarem no tempo previsto e evitar estes constrangimentos no tempo de chuva.

Fonte: ANGOP/BA

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo