Política

Uíge pede ajuda para tratamento de água

dd

GOVERNADOR DO UÍGE PEDE CONDIÇÕES PARA TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Foto: Angop

GOVERNADOR DO UÍGE PEDE CONDIÇÕES PARA TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Foto: Angop

Seis estações de tratamento de água para os municípios de Milunga, Cangola, Sanza-Pombo, Bungo, Quitexe e Bembe são necessárias para reforço da capacidade de distribuição do líquido às populações da província do Uíge, informou o governador, Pinda Simão.

O governante falou na 8ª reunião ordinária da Comissão Económica do Conselho de Ministros, realizada na cidade do Uíge, sob orientação do Presidente da República, João Lourenço, que iniciou nesta quinta-feira, uma visita de trabalho de dois dias à província.

Pinda Simão disse que estão em curso acções de sensibilização e desinfestação de cacimbas, de abertura de furos artesianos, de reabilitação para garantir a distribuição regular de água potável.

Na saúde, referiu que Uíge conta com 122 médicos (87 nacionais) e considerou insuficientes para cobertura plena da região que precisa, além de médicos e enfermeiros, da instalação de uma fábrica de oxigénio. O equipamento já se encontra na província, mas não pode ser montado por falta de pagamento.

Informou que se pretende aproximar mais os serviços de justiça às populações. Disse que o sector depara-se com dificuldades e os serviços de registo civil funcionam em seis municípios, com apenas um técnico cada.

Perspectiva-se a reabilitação do Palácio da Justiça do Negage e do apetrechamento do edifício dos AAA, localizado na sede da província do Uíge, para instalação dos serviços do Tribunal Provincial, assim como da construção de um outro edifício para o Tribunal de Relação que entrará em funcionamento no próximo ano.

No sector da agricultura, afirmou que a província dispõe de uma reserva fundiária para a prática da agricultura com mais de 480 mil hectares. Os agricultores deparam-se com insuficiências de máquinas agrícolas e alfaias para a mecanização do sector.

Segundo o governador, para a industrialização do sector, estão disponíveis 1.560 hectares no pólo industrial de Negage, com a perspectiva de auto-construção, cujos investidores clamam pela instalação da rede eléctrica.

Pediu a contemplação, no plano de electrificação do Ministério de Energia e Águas, dos municípios de Mucaba, Songo, Bungo e Damba, pois a rede de alta tensão que abastece as cidades do Uíge, Negage e Maquela do Zombo passa por essas localidades.

Sobre o orçamento da província, disse que durante o primeiro trimestre do ano em curso foi disponibilizado apenas 28 porcento do valor destinado, apesar do aumento na arrecadação de receitas na ordem de dez biliões 814 milhões 909 mil e 354 kwanzas, o que representa 68 porcento dos valores das despesas realizadas.

Reconheceu ainda que a rede bancária é deficitária e está limitada em seis dos 16 municípios da província. A falta desses serviços em Ambuila, Bembe, Buengas, Bungo, Cangola, Milunga, Mucaba, Puri, Kimbele e Songo dificulta a arrecadação de receitas e o financiamento de projectos empresariais.

Pinda Simão aproveitou a ocasião para informar que no Uíge foram identificadas 71 ravinas, das quais 11 foram já contidas.

A reunião analisa, entre outros aspectos,  o memorando sobre a metodologia do processo de acompanhamento da implementação do plano de desenvolvimento nacional 2018/2022 e a tabela de conversão dos projectos no Orçamento Geral do Estado 2018.

O relatório de balanço do Plano Intercalar de Outubro de 2017 – Março de 2018, assim como o memorando sobre o desenvolvimento de acções no âmbito da Graduação de Angola de País Menos Avançado (PMA) pela Organização das Nações Unidas constam da agenda da reunião.

TPA com Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo