Política

Peritos do BNA e Finanças são ouvidos hoje em Tribunal no "Caso CNC"

dd

Peritos do Banco Nacional de Angola, Ministério das Finanças e da Ordem dos Contabilistas de Angola vão esclarecer, hoje em tribunal, os meandros em que eram celebrados contratos fraudulentos entre o Conselho Nacional de Carregadores e as empresas privadas, anunciou ontem ao Jornal de Angola a assistente de imprensa do Tribunal Supremo, Amor de Fátima.

A fase de produção de provas entre os declarantes é dedicada amanhã aos peritos do Banco Nacional de Angola, António Avelino Quissanga e Evandro Bettencourt Alves do Nascimento. Na sessão de amanhã são ouvidos ainda os peritos do Ministério das Finanças Osvaldo Macaia, David Kinjik e Helena Nerica Cristóvão Pacavaria de Sousa. Os peritos da Ordem dos Contabilistas de Angola Fernando Jorge Teixeira, Pereira Carlos Mendonça e Patrocina Maria dos Santos Guerreiro também vão prestar declarações.

Além disso, o deputado Carlos Feijó e o antigo secretário-geral do MPLA, Álvaro de Boavida Neto, constam da lista de 14 testemunhas arroladas no processo do "Caso CNC", a serem igualmente  interrogadas a partir de hoje , na Câmara Criminal do Tribunal Supremo. O Caso CNC envolve o ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, e quatro antigos dirigentes do Conselho Nacional de Carregadores, acusados de peculato, violação de normas de execução de orçamento, branqueamento de capitais e abuso de poder na forma continuada.

São igualmente testemunhas André Luís Brandão, antigo ministro dos Transportes, o deputado Manuel da Cruz Neto (à data dos factos, ministro e Chefe da Casa Civil do Presidente da República), Mário Palhares, PCA do Banco de Negócios Internacional (BNI), Ismael Diogo, presidente da Fundação Eduardo dos Santos (FESA), e Justino Fernandes, ex-presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF).

Completam a lista Nuno Pereira, Alcides de Almeida Paulo, Paulo Adolfo Vaal Neto, Nelson Alberto Jimbi, José Paulo Kindanda, António Mosquito e Farouk Ibrahi.

Fonte: JA/LD

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo