Política

País foi admitido na ONU há 43 anos

dd

Angola assinala hoje, o 43º aniversário da sua admissão como membro de pleno direito da Organização das Nações Unidas (ONU). Há 43 anos, a então República Popular de Angola (RPA) era admitida como membro de pleno direito das Nações Unidas, colocando-se ao lado das grandes nações mundiais e passava a estar presente na discussão dos grandes temas mundiais.

iplomática de Angola e a sua abertura para o mundo permitiram promover a igualdade entre os Estados e o respeito pela soberania de cada país. O MIREX aponta ainda a busca pela cooperação mutuamente vantajosa, a defesa e promoção dos Direitos Humanos, bem como o diálogo na resolução de conflitos.
A título de exemplo, faz referência à Cimeira Quadripartida de Luanda, realizada em Agosto deste ano, iniciativa do Presidente da República, João Lourenço, que culminou com a assinatura do Memorando de Entendimento entre o Rwanda e o Uganda, pondo fim à tensão na região. De acordo com o MIREX, Angola vai continuar a observar e respeitar os princípios estabelecidos na Carta da ONU e contribuir na concretização dos 17 Objectivos do Desenvolvimento Sustentável. “Por ser um actor e interlocutor válido, Angola esteve já por duas vezes no Conselho de Segurança da ONU, na qualidade de membro não-permanente (2003-2004 e 2015-2016)”, sublinha a nota.
Na primeira ocasião, o país presidiu, em regime rotativo, o órgão no mês de Novembro de 2003, tendo na segunda, a presidência tido lugar durante o mês de Março de 2016.
Como reconhecimento do sucesso do seu processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (D.D.R.), bem como o da consolidação da paz e reconciliação nacional, em 2006, Angola mereceu a confiança dos Estados-membros da ONU e presidiu a primeira Comissão de Consolidação da Paz (PBC) da organização.
A admissão de Angola na ONU foi recomendada à Assembleia Geral pelo Conselho de Segurança, através da resolução 397/76, com votos favoráveis da maioria dos membros permanentes do Conselho de Segurança.

Fonte: JA/BA

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo