Política

Nova lei amplia protecção da liberdade religiosa

dd

A proposta de Lei sobre a Liberdade  de Religião, Crença e Culto, que vai à discussão e votação na generalidade, na Assembleia Nacional, no dia 21 deste mês, amplia a protecção da liberdade de crença dos cidadãos e regula o exercício da actividade religiosa.

O diploma, de iniciativa do Executivo, vai definir o regime de constituição, modificação e extinção de instituições de natureza religiosa.
O Executivo garante que a nova proposta de Lei dá resposta ao constrangimento sobre  a impossibilidade de reconhecimento de pessoas colectivas com fins religiosos, que se verifica há mais de dez anos. O diploma permite igualmente regular a acção das confissões e de outros ente religiosos. 
De acordo com o relatório de fundamentação, a nova proposta tem como novidade a definição de princípios relativos ao exercício da liberdade de religião, crença e culto, em consonância  com a Constituição da República e as convenções internacionais sobre a matéria.
A proposta de lei define em concreto o conteúdo negativo e positivo da liberdade religiosa e esclarece o que é permitido e proibido no âmbito do exercício da liberdade religiosa. O diploma  clarifica o modo de exercício  da liberdade religiosa dentro e fora dos locais de culto, bem como os actos a serem praticados. 
De acordo com a proposta, o Estado  vai indicar os locais para a construção de templos ou locais de culto, atendendo  ao regime sobre ordenamento do território e edificações urbanas. O novo diploma vai também definir as regras relativas à protecção dos locais de culto e dos bens utilizados pelos ministros de culto.
A proposta reduz o número de assinaturas exigidas para instruir o processo de constituição das confissões religiosas e define os princípios relativos à tolerância religiosa e afins. A lei em vigor exige 100 mil assinaturas para o processo de reconhecimento de uma confissão religiosa. A proposta de Lei sobre a Liberdade de Religião, Crença e Culto  surge da necessidade de se harmonizar o regime jurídico sobre a liberdade de religião e crença com as convenções e tratados internacionais, bem como a legislação ordinária em vigor.
 O relatório de fundamentação refere que a  actual lei sobre o exercício da liberdade de consciência, culto e religião não dá resposta  à nova realidade social, por isso o Estado assumiu como tarefa principal encontrar novos mecanismos adequados para a harmonização da actividade religiosa no país.
De acordo com a  proposta, quem obrigar alguém  a associar-se a uma confissão religiosa ou nela permanecer é punido com pena de prisão até oito anos e multa correspondente.  
O diploma permite às confissões religiosas, legalmente constituídas no país, solicitar e receber contribuições  voluntárias dos fiéis , assim como beneficiar de liberalidades (doações) de pessoas colectivas públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras, ao abrigo da Lei do Mecenato.
Mas salienta que a  nenhuma confissão religiosa é permitida a cobrança de bens, serviços ou valores pecuniários a troco de promessas e bênçãos. 
Os deputados iniciaram ontem a preparação para a discussão, na generalidade, da proposta de Lei que aprova o Código de Processo Penal.

Fonte: JA/BA

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo