Política

Comissão de inquérito à dívida pública proposta pela UNITA rejeitada no Parlamento

dd

O Parlamento rejeitou a proposta da UNITA para que fosse criada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que teria como objectivo passar a pente fino a dívida pública angolana para definir quem foram os seus beneficiários e de que montantes efectivamente se trata, aproveitando o maior partido da oposição para sublinhar que esta é "a prova de que, apesar dos enunciados nesse sentido do Presidente João Lourenço, não há vontade para mudar nada em Angola"

O maior partido da oposição lançou sérias dúvidas sobre a natureza da dívida pública do país durante a discussão do Orçamento Geral do Estado, entre Janeiro e Fevereiro, e efectivou a proposta da CPI a 02 de Março.

A UNITA mostra-se, com este desfecho, como revelou este fim-de-semana o líder do Grupo Parlamentar do partido do "Galo Negro", inconformada com a decisão agora tomada pela direcção do Parlamento, onde o MPLA detém o controlo qualificado, até porque se está a falar de um valor de dívida pública que se estima superior a 45 mil milhões de dólares.

O peso da dívida subiu de 11 da soma global do OGE em 2013 para 52 por cento este ano, e este aumento gigantesco, superior a 350 por cento, que a UNITA pretende ver justificado e explicado.

Adalberto da Costa Júnior, citado pela Lusa, explicou que a decisão de rejeição da proposta da UNITA foi tomada no tempo recorde de cinco dias, sendo a justificação avançada a inexistência de fundamento suficiente para a proposta que, para além de pretender averiguar o valor absoluto da dívida, exigia ainda determinar que tipo de impacto esta vem tendo sobre o país e até que ponto se constitui como um obstáculo ao seu desenvolvimento nos últimos anos.

Mas o porta-voz do "Galo Negro", Alcides Sakala, ainda sobre este assunto, em declarações ao Novo Jornal Online, foi mais longe, sublinhando que a rejeição do MPLA à CPI proposta pela UNITA "revela de forma clara que o partido que sustenta o Governo teme tudo aquilo que seria, na certa, exposto sobre a actuação mantida ao longo destes anos na gestão do país e dos recursos públicos".

Um dos exemplos avançados por Sakala é o que se passa na petrolífera nacional porque uma Comissão Parlamentar de Inquérito à dívida pública angolana "teria forçosamente que por a nu tudo aquilo que foram os desmandos na gestão da Sonangol".

"Alias, a CPI à dívida pública poria a nu os desmandos na gestão da Sonangol mas também de todas as empresas públicas que tiveram uma gestão danosa e que veriam agora

exposta essa realidade que resulta directamente de decisões e da gestão do MPLA nas últimas décadas", avançou ainda o porta-voz da UNITA ao Novo Jornal Online.

Alcides Sakala conclui, face a este cenário, que "não há, evidentemente, vontade política por parte do Executivo de João Lourenço em dar cumprimento ao que foram os seus próprios enunciados, o que leva a perceber que o próprio Presidente da República está a ser uma vítima do sistema", sublinhando que até o maior partido da oposição chegou a admitir que com João Lourenço poderia abrir-se uma nova etapa mas que "agora se constata ter sido extemporâneo".

Fonte: NJ/EG

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo

Hoje

8°C

Amanhã

Depois

Hoje

19°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

14°C

Amanhã

Depois

Hoje

10°C

Amanhã

Depois

Hoje

8°C

Amanhã

Depois

Hoje

11°C

Amanhã

Depois

Hoje

10°C

Amanhã

Depois

Hoje

8°C

Amanhã

Depois

Hoje

20°C

Amanhã

Depois

Hoje

13°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

8°C

Amanhã

Depois

Hoje

13°C

Amanhã

Depois

Hoje

13°C

Amanhã

Depois

Hoje

10°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

22°C

Amanhã

Depois

Hoje

11°C

Amanhã

Depois

Hoje

16°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

16°C

Amanhã

Depois