Nacional

Ministra da saúde quer avaliação de desempenho

dd

A ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, defendeu hoje, segunda - feira, a necessidade de se fazer uma avaliação do desempenho dos diferentes blocos do sistema de saúde.

A  governante fez este pronunciamento quando discursava na abertura do curso Flagship do Banco Mundial sobre reformas dos sistemas de saúde que decorre, durante cinco dias, em Luanda, destinado a profissionais do sector da Saúde de sete províncias do país, num total de 21 municípios.

De acordo com Sílvia Lutucuta, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que para  melhorar a compreensão do que constitui a reforma e o reforço do sistema de saúde se deve ter em conta os seis blocos interligados que perfazem o mesmo.

Enumerou como blocos, a prestação de serviços, os  recursos humanos para a saúde, o sistema de informação para a gestão da saúde, os produtos médicos, vacinas e tecnologias, o financiamento, a  gestão e a liderança.     

 Explicou que a prestação de serviços é a parte mais visível do sistema de saúde que, entre outras, se ocupa dos pacotes de serviços essenciais do sector a cada nível, dos modelos de prestação de serviços, das infra-estruturas, da gestão, segurança e qualidade dos serviços.

Este bloco também tem como missão assegurar  uma prestação de intervenção sanitária efectivas, individuais ou comunitárias, seguras e de boa qualidade.

 Os recursos humanos para a saúde inclui o desenvolvimento de boas políticas e planos de investimentos em recursos humanos, advocacia a seu favor, estabelecimento de normas, padrões e inteligência, assim criando, motivando e mantendo uma força de trabalho produtiva para enfrentar as necessidades prioritárias do país.

 A ministra disse que este bloco deve assegurar uma  força de trabalho suficiente em quantidade e qualidade , capaz e eficiente para alcançar os melhores resultados com os poucos recursos disponíveis e nas circunstancias existentes.

 O sistema de informação se baseia na população e nas instituições e o sistema de vigilância epidemiológica,  padrões globais, instrumentos de colheita, qualidade e a compleição dos dados.

 Para Sílvia Lutucuta, a disponibilidade de um sistema de informação funcional assegura a produção, análise, disseminação  e utilização  de informação  confiável e oportuna sobre os determinantes da saúde, desempenho dos sistema e o estado da saúde da população.

 Realçou que o uso racional de medicamentos e a qualidade assegura a equidade no acesso a produtos médicos essenciais para todos os cidadãos, incluindo vacinas e tecnologias, todos de boa qualidade, seguros e eficazes.  

 Defendeu a necessidade de se mobilizar fundos suficientes, de modo a assegurar que as pessoas possam utilizar os serviços que precisam, com protecção contra as despesas catastróficas da saúde ou o empobrecimento por terem de pagar do seu bolso os serviços de saúde próprios ou dos seus familiares.

 O projecto de fortalecimento  do sistema de saúde  visa aumentar a utilização e melhorar a qualidade dos serviços de saúde nas províncias e municípios beneficiários, tendo em conta a melhoria da qualidade da prestação de serviços de saúde,  fortalecimento da gestão dos sistema nacional de saúde para apoio à prestação de serviços de saúde de qualidade.

 Apoio à capacidade de prevenção e resposta às emergências de saúde pública e gerenciamento, monitoramento e avaliação de projectos são outros dos objectivos do projecto que abrange as províncias do Bengo, Luanda, Lunda Norte,  Malanje, Moxico,  Uige e   Cuando Cubango.

Durante cinco dias, os prelectores internacionais vão apresentar temas como  definindo  o problema  ( objectivos do desempenho do sistema da saúde),  definição de prioridades para expansão de cobertura, botão de controlo de financiamento,  botão de  controlo de pagamento,  controlo de organização, opções para  reformas de organização do sistema de prestação de serviços de saúde,  mecanismos de  descentralização, entre outros.

TPA com Angop/EG

PUBLICIDADE
voltar ao topo