Nacional

Dezassete médicos cubanos iniciam funções na Huíla

dd

Dezassete médicos de nacionalidade cubana, especialistas em medicina-geral e familiar, radiologia, intensivistas e neurologistas, iniciaram hoje, sexta-feira, funções em unidades sanitárias da província da Huíla.

A comitiva de médicos chegou quinta-feira, à tarde, ao Lubango, onde voltou a passar por um processo de rastreio rápido de temperatura e de cadastramento.

Falando à imprensa, após terem sido recebidos pelo governador Luís Nunes, a médica Maidénia Gonzales Palan, que vai trabalhar em Caconda (236 quilómetros a norte do Lubango), manifestou a sua disponibilidade para servir Angola.

Disse que vai usar todas as ferramentas necessárias para facilitar o diagnóstico e tratamento de doenças, pelo que está pronta para a observância e atendimento humanizado de patologias como a malária e outras infecciosas.

Já o representante do consórcio cubano Antex, Fidel Fagundo Senareya, sublinhou que a presença dos especialistas cubanos surge no quadro da cooperação existente entre os dois países no ramo da saúde.

Por sua vez, o governador provincial da Huíla, Luís Nunes, encorajou os médicos cubanos a  ajudarem a elevar a capacidade técnica e de resposta do sistema de saúde na região.

Apelou a desenvolverem a sua actividade com brio, tenacidade e resiliência, do ponto de vista da humanização.

Referiu que Angola e Cuba são dois países que, independentemente da sua localização geográfica, mantêm firmes os seus laços de irmandade e fraternidade.

“Tenho plena certeza que encontrarão a devida prontidão dos membros do governo, para em colaboração melhorarmos sempre a qualidade da assistência médica em prol das nossas populações”, disse.

O Lubango ganha assim mais quatro médicos, três dos quais intensivistas colocados no hospital central, enquanto os demais vão aos 13 municípios.

Com uma superfície territorial de 79.023 quilómetros quadrados, a província da Huíla tem 302 médicos, sendo 217 nacionais e 85 cubanos, destacados em 283 unidades sanitárias, incluindo cinco hospitais provinciais e quatro municipais.

Angop

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo