Nacional

CFB chegou ao Luau 30 anos depois

dd

O comboio experimental do CFB já chegou a vila do Luau que dista 325 quilómetros do Luena. Eram cerca das 5 horas da manhã, quando a locomotiva parou no Luau, após doze horas de viagem.

Tudo acontece 30 anos depois. Hoje na vila do Luau, Moxico, depois de 30 anos de interrupção, devido ao conflito armado que o país viveu.

A bordo do comboio viajaram, além do titular da pasta dos transportes, o ministro de Geologia e Minas, Francisco Queirós, o ministro dos Recursos Naturais da Zâmbia, Chistopher Yaluma, e os governadores de Malanje, Lunda Sul e Moxico, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, Maria Cândida Narciso e João Ernesto dos Santos “Liberdade, respectivamente.

Fazem também parte da delegação, o director do Instituto Nacional dos Caminhos-de-Ferro de Angola (INCFA), Júlio Bango Joaquim, o Presidente do Conselho de Administração do CFB, Carlos Gomes, administradores executivos do CFB, além de altos funcionários do Ministério dos Transportes e membros do governo da província do Moxico.

Viajaram numa locomotiva com duas carruagens de primeira classe, igual número de segunda e outras três de apoio (restaurante, gerador e furgão), partiu da estação ferroviária do Luena às cinco horas e 20 minutos, de ontem.

Ao longo do trajecto foram inauguradas sete estações ferroviárias, designadamente, do Luculo, Léua, Sandando, Kameia, Cassai-Gar, Caifuchi e Mucussueji e duas pontes sobre os rios Lumeji e Mucussueji, respectivamente.

Luau é a última estação do CFB, das 67 incluindo apeadeiros construídos a partir do Lobito, num percurso de 1344 quilómetros até a fronteira com a República Democrática do Congo (RDC), passando pelas províncias angolanas de Benguela, Huambo, Bié e Moxico.

O CFB foi criado por uma Lei de Agosto de 1899 e a linha férrea começou a ser construída a 1 de Março de 1903 e concluída a 2 de Fevereiro de 1929. Em Agosto de 2012 foi resposta a circulação dos comboios entre Lobito e a cidade do Luena, a capital da província do Moxico.

 

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo