Nacional

Angola inicia qualificação aos jogos olímpicos de Japão

dd

Trata-se de uma organização intergovernamental líder do mundo para questões de energias renováveis que se reúne anualmente, com 150 países e mais de 1.500 delegados, para analisarem assuntos sobre o sector prevendo adoptar um caminho energético seguro para a defesa do meio ambiente

Segundo uma nota chegada à Angop, a 10ª Assembléia, representa uma importante iniciativa para o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pelas Nações Unidas, prevendo adoptar um caminho energético seguro para a defesa do meio ambiente.

Angola está representada por uma delegação composta por funcionários do Ministério da Energia e Águas, nomeadamente a Directora Nacional de Energias Renováveis, o Director Nacional do Gabinete de Intercâmbio e a Directora do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa.

Na abertura, o Director Geral da IRENA, o Italiano, Francesco La Camera, referiu que ainda há dez anos para cumprir o compromisso estabelecido na Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

Francesco La Camera reconheceu o papel importante das energias renováveis no desenvolvimento das estratégias climáticas globais para protecção ambiental, segurança energética, bem como a melhoria de vida das populações que vivem em zonas isoladas.

“Temos energia renovável à nossa disposição hoje para tornar o futuro mais previsível, mais próspero, mais inclusivo e mais seguro”, frisou.

Mas realçou ser agora necessário tomar as decisões correctas, para que os benefícios da implantação acelerada possam se revelar em todo o mundo permitindo entrar na próxima década com confiança por causa dos apoios e engajamento activos.

A energia renovável desempenha um papel central na consecução de vários objectivos, incluindo o acesso à energia (ODS 7), segurança climática (ODS 13), crescimento económico sustentável (ODS e cidades sustentáveis (ODS 11).

Segundo um relatório da IRENA, indica que as energias renováveis podem criar cerca de 40 milhões de empregos em 2050 num cenário de energia com segurança climática.

Os Estados membros das Nações Unidas, bem como as organizações regionais intergovernamentais para integração económica, decidiram a 26 de Janeiro de 2009, numa Conferência Internacional sobre Energia, constituir a Agência Internacional de Energias Renováveis, “IRENA” para promover a cooperação no domínio e desenvolvimento do uso das tecnologias das energias renováveis.

Fonte: JA/JS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo