Internacional

Nativas americanas e muçulmanas entre estreias no Congresso dos EUA

dd

Os Estados Unidos fizeram história ao eleger, nas legislativas intercalares de terça-feira, não só um número recorde de mulheres, como as duas primeiras nativas americanas e as duas primeiras muçulmanas, uma das quais uma ex-refugiada somali.

As Democratas Sharice Davids e Deb Haaland são as primeiras mulheres nativas americanas a chegar ao Congresso, onde ocuparão lugar na Câmara dos Representantes.

Sharice Davids venceu no Estado do Kansas o adversário Republicano Kevin Yoder, assim contribuindo para a nova maioria Democrata na câmara baixa do Congresso, e Deb Haaland substituirá a congressista Republicana do Novo México Michelle Lujan Grisham, que abandonou o cargo para se candidatar a governadora.

De acordo com as respetivas campanhas, citadas pela estação televisiva norte-americana CNN, Haaland é membro do Pueblo of Laguna e Davids faz parte da Ho-Chunk Nation, apresentando-se como lésbica, o que faz dela a primeira congressista do Kansas abertamente pertencente à comunidade LGBT [Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero], depois de ter trabalhado como advogada e de ter sido lutadora de artes marciais.

Uma terceira mulher nativa americana poderá ainda ser eleita para a Câmara dos Representantes: trata-se da Republicana Yvette Herrell, pertencente à nação Cherokee, que concorre pelo Novo México e que regista 50,5% dos votos, à frente da adversária democrata, Xochitl Torres Small, com 49,5%, quando estão contados 95% dos votos.

A Democrata do Michigan Rashida Tlaib e Ilhan Omar, do Partido Trabalhista dos Agricultores Democratas do Minnesota, são as primeiras mulheres muçulmanas no Congresso dos Estados Unidos.

Rashida Tlaib tomará o lugar anteriormente ocupado pelo representante Democrata do Michigan John Conyers, que abandonou o cargo no ano passado devido a acusações de abusos sexuais, e Ilhan Omar ocupará o lugar deixado pelo congressista do Minnesota Keith Ellison, o primeiro homem muçulmano eleito para o Congresso. Ellison saiu para se candidatar a procurador-geral do Minnesota este ano.

Além de ser uma das duas primeiras mulheres muçulmanas no Congresso, Ilhan Omar é também a primeira congressista somali-norte-americana: chegou aos Estados Unidos há mais de duas décadas, com 12 anos, como refugiada.

O Texas -- um Estado com quase 40% de população hispânica - elegeu pela primeira vez duas mulheres hispânicas para o representarem no Congresso: Veronica Escobar, na Câmara dos Representantes, e Sylvia Garcia, no Senado.

Veronica Escobar candidatou-se ao lugar pelo Partido Democrata, em substituição de Beto O'Rourke - que decidiu concorrer ao Senado, sem êxito -- e derrotou o adversário Republicano Rick Seeberger, ao passo que a também Democrata Sylvia Garcia ganhou o lugar de senadora estadual derrotando o Republicano Phillip Aronoff.

Os Estados do Massachusetts e do Connecticut elegeram pela primeira vez mulheres negras como congressistas. Foram elas as democratas Ayanna Pressley e Jahana Hayes, respetivamente.

O Tennessee será pela primeira vez representado no Senado por uma mulher, Marsha Blackburn, uma conservadora próxima do Presidente que desde 2003 ocupava um lugar na Câmara dos Representantes.

O Arizona elegeu também pela primeira vez uma mulher para o Senado: a congressista Democrata Kyrsten Sinema, que derrotou a congressista Republicana Martha McSally.

Em resultado deste escrutínio, em que os norte-americanos não só renovaram a totalidade da Câmara dos Representantes e um terço do Senado, como escolheram 36 novos governadores estaduais, há pela primeira vez, no Dakota do Sul, uma mulher governadora: é a Republicana Kristi Noem, que ganhou a corrida ao adversário Democrata Billie Sutton.

De entre as mulheres eleitas na terça-feira, outra protagonista foi a Democrata Alexandria Ocasio-Cortez, de 29 anos e sem experiência política, a mais jovem mulher de sempre a ser eleita para o Congresso, depois de conquistar 78% dos votos no bairro da cidade de Nova Iorque pelo qual concorreu.

Fonte: NM/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo