Internacional

Coreia do Norte só avança para a cimeira com EUA se não for "unilateral"

dd

O encontro marcado entre as Coreias foi cancelado esta manhã pela Coreia do Norte, que justificou a decisão com as manobras militares conjuntas de Seul e Washington.

Entretanto, o Ministério da Defesa sul-coreano garantiu que os exercícios militares vão continuar apesar da "reação irada" do Norte, uma vez que se destinam a melhorar as habilidades dos pilotos e "não são exercícios de ataque".

A irritação norte-coreana ameaça agora pôr em causa a histórica cimeira entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, marcada para 12 junho em Singapura.

Em declarações oficiais, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano afirmou que a Coreia não tem qualquer interesse numa cimeira de "negociações unilaterais".

Kim Kye-gwan criticou os recentes comentários do conselheiro da Segurança Nacional de Trump, John Bolton, e de outras autoridades norte-americanas, sobre como o Norte devia seguir o "modelo líbio" de desarmamento nuclear e fornecer um "desmantelamento completo, verificável e irreversível".

O responsável também criticou outros comentários dos EUA, relativos ao abandono não apenas das armas nucleares e mísseis, mas também das armas biológicas e químicas.

"Não estamos interessados numa negociação que se reduza a levar-nos para uma esquina com a exigência unilateral de desistirmos das nossas armas nucleares, o que nos força a reconsiderar se avançamos mesmo com a cimeira entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos", concluiu.

Kim Jong-un chegou ao poder semanas após a morte do ex-líder líbio Muammar Khadafi, pelas forças rebeldes aquando de uma revolta popular em outubro de 2011. Pyongyang usa frequentemente a morte de Khadafi como argumento para justificar o desenvolvimento nuclear diante das ameaças dos Estados Unidos.

Fonte: NM/BA

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo