Economia

Sanções americanas contra Irão entram em vigor, mas Teerão promete 'contorná-las com orgulho'

dd

Nesta segunda-feira (5), Washington reintroduziu as sanções contra o Irã que existiram antes da assinatura do Plano de Ação Conjunto Global. Porém, o presidente iraniano afirmou que o país continuará vendendo seu petróleo apesar das restrições.

As restrições afetarão em primeiro lugar o sector de petróleo do Irão, mas oito países terão permissão temporária de continuarem importando petróleo iraniano por seis meses após 5 de novembro, segundo anunciou na sexta-feira o secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo.

Segundo ele, na lista de sanções foram introduzidos mais de 600 indivíduos e empresas. Os países que continuarem negociando com eles correm o risco de serem sancionados também pelos EUA.

O presidente Donald Trump, por sua parte, afirmou anteriormente que as medidas são as mais duras que Washington já aplicou a Teerã e que já "estão tendo efeito destrutivo sobre a economia iraniana".

Respondendo à reintrodução das sanções, o presidente iraniano, Hasan Rouhani, declarou que o país continuará vendendo seu petróleo apesar das sanções.

"Os Estados Unidos queriam reduzir a zero as exportações de petróleo do Irão…mas nós continuaremos vendendo nosso petróleo", declarou Rouhani, citado pela Reuters.

O líder iraniano também afirmou que Teerão vai "contornar com orgulho as sanções porque elas são cruéis e violam o direito internacional".

"Estamos em uma situação de guerra econômica, estamos enfrentando um inimigo intimidador. Temos que lutar para vencer", escreve a agência AP, citando o presidente do Irão.

Em maio, o presidente norte-americano Donald Trump anunciou que o país abandonaria o acordo nuclear iraniano e restabeleceria todas as sanções contra Teerão, bem como contra os países que têm negócios com Teerão. O primeiro pacote de restrições entrou em vigor em 7 de agosto.

Fonte: Sputnik / EB

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo