Economia

Nova fábrica de enchidos entra em funcionamento em Luanda

dd

Ministra da Indústria Inaugura Fábrica de Processamento de Carnes

Foto: Joaquina Bento (Angop)

Ministra da Indústria Inaugura Fábrica de Processamento de Carnes

Foto: Joaquina Bento (Angop)

Uma indústria de processamento de enchidos e transformação de carnes, designada Mestre-Akino, orçada em cerca de quatro milhões de dólares norte-americanos, foi inaugurada hoje, em Viana, pela ministra da Indústria, Bernarda Martins.

Do valor global, 2,2 milhões de dólares norte-americanos foram financiados no âmbito do extinto Programa Angola Investe e a outra parte pela promotora do investimento da fábrica de carnes e enchidos tradicionais “Mestre Akino”, afecta à Sociedade Agropecuária e Industrial “Filhos de Luís Nicácio”.

Localizada na Zona Económica Especial (ZEE), a unidade fabril tem capacidade para produzir 50 toneladas de carne suína/mês, desde charcutaria, chouriço corrente, carne salgada e chouriço extra, permitindo a criação de pelo menos 50 postos de trabalho directos numa primeira fase.

Para a ministra, o empreendimento junta-se aos que vêem dar os primeiros passos na transformação de carnes, contribuindo grandemente para que uma parte da importação de enchidos venha a diminuir.

“É evidente que o consumo ainda não está coberto. O importante é que mais um investidor privado ouviu o apelo do Executivo e vai contribuir para o abastecimento às Forças Armadas e para a segurança do país”, disse a ministra.

Para Bernarda Martins, apesar da capacidade de produção ser ainda diminuta, a fábrica de processamento de enchidos e transformação de carnes Mestre-Akino vai contribuir na substituição das importações e no aumento da produção nacional.

De acordo com Bernarda Martins, tem de existir mais investimento na matéria-prima, com a produção de suínos, que tem dado alguns passos, com as iniciativas que estão em todo país.

Já o administrador da Mestre-Akino indústria limitada, Luís Nicássio, com a unidade industrial inaugurada pretendem contribuir para o desenvolvimento do país, no que ao sector industrial diz respeito.

Numa primeira fase, a matéria-prima será importada de Portugal, Espanha e Brasil. Para contrariar tal situação, Luís Nicássio diz que tencionam implementar em Angola um projecto de suinicultura industrial na região de massangano com 400 porcas.

Por seu turno, o presidente do Conselho de Administração da ZEE Luanda/Bengo, António Henriques da Silva, fez saber que as acções desenvolvidas pela administração da Zona Económica Especial Luanda/Bengo, no primeiro trimestre deste ano, permitiram a aprovação de sete novos projectos de investimentos com um volume de negócios na ordem dos 117 mil milhões de kwanzas.

Sublinhou a escolha feita pelos promotores do investimento, pelo facto de recair sobre a ZEE.” Foi condição suficiente para inserir a ZEE nos benefícios decorrentes do crescimento exponencial que pretendemos impulsionar cada vez mais e que por sua vez irá gerar directamente o surgimento de empresas complementares, aumento do consumo e a criação de novos postos de emprego.

Dados indicam que a produção pecuária em Angola registou números satisfatórios no tocante à  produção de ovos, carne caprina, ovina e suína, em 2018.

Neste  período,  foram produzidas 27 mil e 192 toneladas  de  carne de aves, que  corresponde  a 63%  da meta estabelecida pelo Ministério da Agricultura e Floresta.

 A produção de  carne  bovina  atingiu as 22 mil e 161 toneladas (33,4%), 117 mil e 185 toneladas  de carne ovinos/caprinos (68,3%), quatro mil  e 262  toneladas  de carne suína (16%),  27 mil 192 toneladas  de carne  de frangos (63,4%), 1.119 milhares  de unidades de ovos, que corresponde  a 146%  da meta definida, 3.575 milhões  de litros  de leite, que corresponde a 69% dos objectivos preconizados.

Ainda neste âmbito, de acordo com os dados  apresentados pelo ministro da Agricultura e  Floresta, foram elaborados  e aprovados  os programas  de  fomento da produção pecuária, com destaque  para bovinicultura, pequenos ruminantes, suinicultura e avicultura.

TPA com Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo