Economia

Executivo quer celeridade na atribuição de licenças

dd

FÁBRICA DE TRANSFORMAÇÃO DE GRANITO

Foto: MORAIS SILVA

FÁBRICA DE TRANSFORMAÇÃO DE GRANITO

Foto: MORAIS SILVA

O Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos quer tornar célere a elaboração de contratos e atribuição de licenças de exploração de rochas ornamentais, no âmbito das políticas de atracção de investidores.

Para tal, o sector quer tornar a prática administrativa e legislativa mais atractiva, sobretudo na atribuição dos alvarás, disse esta segunda-feira à emissora Provincial da Rádio Nacional de Angola na Lunda Sul o director nacional dos Recursos Minerais, André Buta.

“As nossas ofertas em termos jurídicos, taxas e imposto são bastante atractivas e competitivas a nível da África. O  maior problema está na celeridade dos processos. Vamos tentar ultrapassar o mais rápido possível", reconheceu adiantando que existem casos em que alguns investidores têm esperado um a dois anos para receber a licença.

Informou que o Executivo angolano está a criar condições para que as zonas de exploração de rocha ornamental sejam contempladas com a energia da rede pública nos próximos tempos.

Fonte: Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo