Economia

Esopark colhe primeiras toneladas de milho em Janeiro

dd

FAZENDA VALE SILVESTRE

Foto: Pedro Manuel (Angop)

FAZENDA VALE SILVESTRE

Foto: Pedro Manuel (Angop)


Mil e 500 toneladas de milho branco serão colhidas em Janeiro de 2020 na fazenda Vale Silvestre no Projecto Agro-industrial "Esopak", no município do Curoca, província do Cunene.

A informação foi dada nessa quinta-feira pelo gestor da fazenda, Mário Rodrigues, à margem da visita do secretário do Presidente da República para o Sector Produtivo, Isaac dos Anjos, ao projecto.

Mário Rodrigues disse que a colheita é resultado da plantação da cultura de milho em 142 hectares de terra. A fazenda conta ainda com 15 hectares de produção de feno para o gado bovino.

A par da colheita do milho em Janeiro de 2020, segundo o responsável, estão já a trabalhar na sementeira da mesma cultura com grãos brancos e amarelos, num espaço de 171 hectares.

No local, o secretário de Estado da Economia, Sérgio Santos, que integrou a delegação, disse que a visita permitiu constatar os empreendimentos da província, no domínio da agricultura e da indústria, de modo a incentivar o aumento da produção nacional.

Sublinhou que com essa produção do milho no Cunene aumenta-se a oferta do produto no mercado local e consequentemente desafoga-se a importação desse bem na região.

“Acreditamos que o projecto tem boa perspectiva de produção. Vamos ajudar na conclusão do investimento previsto e apoiar logicamente com assistência técnica, no âmbito do programa de acesso ao crédito, no sentido de vir aumentar a capacidade de produção num culto espaço de tempo”, referiu.

Sérgio Santo sublinhou que uma das dificuldades tem sido as divisas, mas nesta altura a prioridade recai naquilo que é produção nacional. As matérias-primas são necessárias para diversificar a produção.

Durante a sua estadia no Cunene, Isaac dos Anjos, inteirou-se das obras da Barragem do Calueque, já concluída a primeira fase, que incluiu reparação completa da estrutura de betão da barragem, construção de duas estações de bombagem da estação a Sul e já a segunda em falta envolve a construção da estação a Norte da barragem e parte para a irrigação de 15 mil hectares terras aráveis.

A fazenda que conta com 40 mil hectares dispõe actualmente de  111 trabalhadores, situa-se entre os municípios de Curoca e Ombadja, áreas com potencial agrícola, tem no rio Cunene a sua principal fonte de abastecimento de água.

TPA com Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo