Economia

Angola procura investidores na África do Sul para "minerais adormecidos"

dd

Ministro dos Recursos Minerais e dos Petróleos, Diamantino Azevedo

Foto: Rosário dos Santos (Angop)

Ministro dos Recursos Minerais e dos Petróleos, Diamantino Azevedo

Foto: Rosário dos Santos (Angop)

O Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos está a procura de empresas interessadas em investir nos denominados "Brown" (castanho) e "Green" (verde), projectos para todos os minerais existentes no território nacional, disse o titular da pasta, Diamantino Azevedo.

Ao falar no Fórum sobre mineração, que decorre em Cape Town, África do Sul, lembrou que  Angola, além do petróleo e diamantes, também é rica em metais preciosos, metais básicos, rochas ornamentais,  além de outros necessários para o desenvolvimento industrial.

“O nosso Governo optou por uma política de diversificação da economia. Isso, inclui também a diversificação do sector da  geologia e minas”, disse o  governante, convidando empresas de vários países a investirem no sector mineralógico em Angola.

Diamantino Azevedo acrescentou que o Executivo está empenhado em transformar Angola  num desafio de mineração no continente africano, no quadro das reformas em curso.

Lembrou que, o relatório “Riscos de Investimentos em África 2019”, publicado em Janeiro deste ano pela Exx Africa  Insight,  colocou Angola entre os cinco principais destinos de investimento em África, ficando na segunda posição depois da Etiópia.

Aos presentes,  Diamantino de Azevedo falou da melhoria do ambiente de negócios em  Angola, com destaque para a autorização de repatriamento até cinco milhões de dólares sem  a autorização do banco central.

Com as apresentações feitas neste fórum, os participantes puderam obter uma maior percepção sobre o vasto potencial do sector da geologia e minas em Angola, explorável em toda a extensão do território nacional (1.247. 700 quilómetros quadrado).

No certame, a República de Angola apresentou as políticas que flexibilizam o investimento no sector mineiro,  com a exibição de  projectos atinentes à exploração de ferro e de ouro, mas que carecem de investimentos para serem  alavancados.

A Endiama, por exemplo, apresentou projectos ligados a concessões e acções que requerem  investimentos ou parcerias para a sua exploração. O projecto  “Lulo”  foi outra experiência de Angola partilhada neste fórum, em que se fazem  também presentes responsáveis das empresas Ferrangol e Sodiam.

Fonte: Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo