Economia

Angola apresenta oportunidades de negócios na Alemanha

dd

VISTA PARCIAL DA CIDADE DE BERLIN, CAPITAL DA ALEMANHA

Foto: DW (Divulgação)

VISTA PARCIAL DA CIDADE DE BERLIN, CAPITAL DA ALEMANHA

Foto: DW (Divulgação)

As oportunidades de negócios nas áreas da agricultura, indústria alimentar, saúde, indústria farmacêutica, energia e gás, bem como Ensino Superior em Angola foram apresentadas aos empresários alemães pela delegação multissectorial angolana que se encontra na Alemanha a participar de encontros bilaterais.

Segundo a Angop, os encontros realizados em Berlim, Frankfurt e Munique pela delegação chefiada pelo ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino de Azevedo, dão sequência a visita efectuada à Alemanha pelo Presidente da República, João Lourenço, em Agosto de 2018, que pretende uma parceria estratégica entre Angola e Alemanha.

Fomentar a transferência de tecnologia da Alemanha para Angola e promover investimentos directos de empresas alemães em Angola, constam das pretensões do Governo da Baviera, no âmbito da sua política para os países africanos.

Pretendem exportar para Angola um dos melhores instrumentos de formação da Alemanha: o sistema dual de formação técnico-profissional (Das duale Ausbildungssystem).

As pretensões foram manifestadas num encontro entre a delegação multissectorial angolana que se encontra na Alemanha para participar de encontros bilaterais.

Para o ano 2020, o Governo da Baviera pretende colocar Angola no centro das suas atenções, enviando para o País uma equipa de peritos (5 a 7 pessoas), para preparar a visita do vice-ministro deste Estado, com uma delegação empresarial. A visita de três dias visou, essencialmente, a atracção de investimento privado alemão, no âmbito da Diplomacia Económica.

A delegação integra a ministra da Saúde, Silvia Lutucuta, o secretário de Estado das Relações Exteriores para a Cooperação Internacional e Comunidades, Domingos Vieira Lopes, da Economia, Sérgio dos Santos, das Finanças, Osvaldo Victorino João, bem como PCA's de instituições públicas e privadas.

Fonte: Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo