Economia

Administração do CFL está aberto ao diálogo

dd

O presidente do Conselho de Administração do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) considera injustificada a greve convocada para hoje pela Comissão Sindical dos Trabalhadores dos Ferroviários de Angola (SIFA), alegando que tal atitude fere o princípio do bom senso e da razoabilidade na resolução dos pontos constantes do caderno reivindicativo.

Reagindo à decisão da tomada da greve, através de uma nota, Júlio Bango Joaquim garantiu que, como resultado do acordo, 17 dos 18 pontos do caderno reivindicativo estão em fase de execução, de forma paulatina, o que, referiu, pressupõe dizer que mais de 90 por cento dos problemas estão a ser resolvidos.
“Como é do conhecimento do sindicato, a empresa viu-se forçada a interromper a circulação ferroviária para Ndalatando e Malanje, após a seguir a assinatura do acordo, tendo a paralisação durado cerca de 50 dias. Estando a circulação para o Dondo interdita até a presente data, por causa dos estragos na linha férrea, provocados pelas fortes chuvas que caíram na região, resultando em grandes prejuízos financeiros, que condicionaram o ritmo de im-
plementação dos acordos”, lê-se na nota.
De acordo com o documento, a paralisação da circulação dos comboios para Ndalatando e Malanje resultou num prejuízo de mais 23 milhões de kwanzas. Os danos resultantes do tempo de greve estão avaliados em 17 milhões de kwanzas, situação que levou ao atraso no pagamento dos salários dos trabalhadores no mês de Fevereiro.
A nota esclarece que, para aumentar as receitas e cumprir cabalmente com o que está acordado, a empresa elaborou um plano de negócio de emergência que estabelece as seguintes acções:  construção de três ramais (Boavista, Lucala e Malanje), para aumentar a capacidade de transporte de combustível.
Do plano de necessidades, consta ainda a recuperação de todo o material circulante avariado e a ser disponibilizado para implementação do plano de negócio (locomotivas, carruagens, vagões, veículos de linha e outro material, além da construção de quatro ramais para transporte de minério.

Fonte:JA/LD

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo