Cultura

Os pais de Beyoncé não a deixavam sozinha com R. Kelly

dd

O documentário "Surviving R. Kelly", exibido na semana passada na televisão norte-americana, tem andado nas bocas de várias figuras do mundo do espetáculo.

O documentário, recorde-se, explora as acusações de abusos sexuais feitas contra o cantor, contendo testemunhos de alegadas vítimas, familiares e amigos próximos de R. Kelly.

À semelhança de Lady Gaga e Future, o pai de Beyoncé, Matthew Knowles, abordou o caso, dizendo ter tomado conhecimento de vários rumores envolvendo R. Kelly no final dos anos 90.

À altura, Matthew Knowles era o manager das Destiny's Child, grupo do qual fazia parte a sua filha, Beyoncé. Que estava, para todos os efeitos, proibida de estar sozinha com R. Kelly por um momento que fosse.

"As raparigas tinham 15, 16 anos. Quando iam à casa de banho, a Tina [Knowles, mãe de Beyoncé] ia com elas. Nunca abandonavam o nosso campo de visão", contou, ao jornal Metro.

Falou-se que as Destiny's Child poderiam colaborar de forma mais enfática com R. Kelly, mas tal acabou por não se verificar - até por iniciativa de Matthew Knowles.

"Ele gostava de gravar à noite, tipo meia-noite. O estúdio dele tinha um compartimento com uma suite e, ao lado, havia uma discoteca com 40 ou 50 pessoas a dançar", revelou.

O alegado casamento de R. Kelly com Aaliyah, à altura com apenas 15 anos, também pesou na decisão do manager, que permitiu às Destiny's Child gravar apenas um tema com o cantor, 'Stimulate Me', que fez parte da banda-sonora de "É a Vida", filme de 1999 com Eddie Murphy.

Fonte: msn entreteniemnto/BA

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo