Cultura

Mundo Samanhonga fora do desfile do carnaval

dd

O União Mundo Samanhonga (Akixi Txianda), o mais conceituado grupo folclórico do Carnaval na Lunda-Norte e na região leste, não vai participar nesta edição da “festa do povo”, por razões financeiras.

Em vésperas da edição 2020 do Carnaval, o grupo tem passado por inúmeras dificuldades que o impedem de adquirir materiais para fazer os batuques, indumentárias e muito outros instrumentos indispensáveis. 

O responsável do grupo, que já venceu nove edições do Carnaval, na classe de adultos, deu a notícia da desistência oficial e anunciou que a falta de patrocínios pode levar a extinção do União Mundo Samanhonga.
Estêvão Chirianze explicou ao Jornal de Angola que o grupo precisa apenas de duzentos mil kwanzas para adquirir peles de animais e assim renovar os instrumentos musicais, sobretudo os batuques. “Os instrumentos já não estão em boas condições. São antigos e precisam ser renovados”, justificou.
No momento, continuou, não há motivações entre os integrantes do grupo, que em 2010 foi reconhecido pelo Ministério da Cultura, pelo contributo dado ao desenvolvimento da cultura, numa homenagem que também incluiu o União Kwanza, de Luanda.
Actualmente, em termos de instrumentos musicais, contou, o grupo tem disponíveis seis batuques. “Nas exibições também temos usado o ngoma ya xina (baixo), mukundu (base), kassaluiyo (ritmo) e o kassumbi, de forma a obter várias funcionalidades rítmicas, mas até mesmo estes já começam a estar em mau estado, devido ao uso constante”.
O grupo, continuou, procurou sempre preservar a essência do Carnaval, transmitindo a riqueza da cultura Lunda cokwe ao público. “As máscaras, como Mwana Pwó, Xaxata, Mukenda e Katoyo, assim como os estilos Txianda, txissela e Yamba, têm sido muito utilizadas nas escolhas do grupo, como forma de transmitir um legado à nova geração”, aclarou.
Os géneros musicais e as danças, disse, mostram a grande escola tradicional que é o União Mundo Samanhonga. “Hoje, devido a estas dificuldades os mais velhos do grupo receiam perder a oportunidade de preparar a nova geração, na continuidade deste legado”, lamentou.
Além de desfilar nas pistas da Lunda-Norte e de Luanda, o grupo já mostrou a riqueza da cultura Lunda em Portugal, Cuba , Alemanha , Suíça e Espanha, países onde representou a bandeira angolana.

Fonte:JA/JS

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo