Cultura

Cultura quer mais instrumentos acústicos no Carnaval2019

dd


 O director do gabinete provincial da Cultura, turismo, juventude e desporto da Lunda Sul, Gabriel Tchiema, considerou, nesta sexta-feira, em Saurimo, ser necessário que os grupos carnavalescos utilizem mais instrumentos acústicos na feitura das canções.


Em declarações à Angop, a propósito da preparação do Carnaval edição 2019, Gabriel Tchiema passou instruções aos grupos pata utilizarem tais instrumentos, com maior realce ao batuque, cariaria, puíta, entre outros meios, bem como cantarem ao vivo.


Sem desprimor da música gravada, disse que a ideia é valorizar, cada vez mais, os instrumentos acústicos tradicionais da região leste.
Pretende-se, segundo Gabriel Tchiema, que os fazedores da arte usem o tradicional que a região dispõe, inovando, sem esquecer a base da cultura dos povos Tchokwe, que dispõe de vários géneros em termos de canção e dança (Txianda, Macopo e Candoa).

Os grupos carnavalescos devem organizar-se cada vez mais, buscando  os conhecimentos de pessoas entendam de coreografia e elementos culturais baseada no tradicional, com vista a dar maior consistência na sua exibição.
Sublinhou que, para a realização do Entrudo, o gabinete da Cultura tinha previsto um orçamento geral de 10 milhões de Kwanzas, mas, atendendo a situação financeira, apenas sete milhões foram aprovados, mais dois em relação a edição 2018.

Explicou que fizeram um levantamento aos grupos e aferiram que os mesmos gastam 300 mil kwanzas para a preparação do conjunto, contra os 200 mil Kwanzas que recebem como prémios.

De acordo com o responsável, esforços estão a ser feitos para que na presente edição o prémio do primeiro classificado seja de 600 mil Kwanzas, face aos 400 mil da edição anterior.
Sem revelar números de quantos estão já inscritos, o responsável informou que as inscrições começaram em Novembro e terminam na primeira quinzena de Fevereiro.

TPA/Angop/EG

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo