Cultura

“Colecção de gerações” “baptiza” novo espaço

dd

A mostra, que fica patente até o final do próximo mês, traz à apreciação do público um conjunto de 16 trabalhos de pintura, da autoria de criadores da década de 1940, como António Ole, Kapela, Francisco Van-Dúnem “Van” e Gonga.


Além de quadros de “kotas”, a exposição inclui ainda trabalhos de artistas da nova geração, que estão a conquistar espaço no mercado, como Fineza Teta, a única mulher a vencer o prémio ENSA-Arte, na categoria de pintura, Guilherme Mampuya, Paulo Kussy, Francisco Vidal, Ricardo Kapuka Januário Jano, Mumpasi Meso, Uófole Alcides Malayka, Armando Scoott, Binelde Hyrca e Cristiano Mangovo, vencedor da última edição do grande prémio de pintura ENSA-Arte.
A exposição, que tem entradas grátis, marcou, também, a inauguração do Talatona Art, um novo espaço para a exposição, aberto no Talatona Shopping, em Luanda.

A cerimónia contou ainda com a actuação do músico Kizua Gourgel.
Os organizadores explicaram que o novo espaço foi criado com o objectivo de valorizar e apostar na arte contemporânea angolana, assim como criar um maior intercâmbio entre as gerações de artistas, através da criação artística.
Para Paulo Kussy, a abertura do espaço vai ajudar a colmatar o problema da falta de salas em Luanda, um dos grandes problemas da classe artística, ainda em dificuldades para expor os seus trabalhos. “Para haver um mercado de arte é preciso antes existirem espaços adequados onde os artistas podem mostrar as actuais tendências e conquistar mais público”, disse.
O artista acredita que o sucesso do espaço está na localização, um shopping center

. “É uma mais-valia para todos, inclusive os expositores, porque é um local agitado, com constante movimento de pessoas, logo é garantia de um novo tipo de público para as produções artísticas nacionais”.
Por isso, o artista acredita que é altura de espaços do género e outros, onde a afluência do público é constante, deveriam aproveitar mais as criações artísticas para, simultaneamente, difundirem os trabalhos destes e promoverem o espaço. “Mas a iniciativa não pode se limitar apenas a capital. É preciso que outras províncias do país também possam desfrutar de locais assim”, defendeu.
Fineza Teta, a única mulher convidada a participar na mostra, considerou uma honra dividir espaço com os “kotas” das artes plásticas. “É uma grande oportunidade para receber mais experiências”, disse, além de aconselhar os jovens criadores a apostarem forte na produção de trabalhos de qualidade, de forma a conseguirem se impor num mercado, como o angolano, actualmente bem mais exigente.
Com uma agenda cheia para este ano, Fineza Teta informou que tem recebido vários convites para participar em diversas actividades colectivas, no país e estrangeiro. Porém, apesar dos convites, adiantou que está a preparar, para o mês de Março, possivelmente, uma exposição individual.

Fonte:JA/EG

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo