Ciência

'Aposentadas' por antibióticos, larvas de mosca voltam a ser usadas para tratar feridas crônicas

dd

Na Europa, a espécie de mosca mais usada para esse fim é a Lucilia sericata

Foto: Getty Images

Na Europa, a espécie de mosca mais usada para esse fim é a Lucilia sericata

Foto: Getty Images

Uma antiga forma de tratamento de feridas crônicas, que havia sido descartada com o surgimento dos antibióticos, está voltando a ser usada em alguns hospitais dos EUA, Europa e América Latina.

No Brasil, ela vem sendo pesquisada em algumas universidades e é aplicada rotineiramente em pelo menos um hospital, o Universitário Onofre Lopes (HUOL), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Trata-se da terapia larval ou larvoterapia, que, como o nome sugere, é o uso de larvas, no caso de moscas, para a cicatrização de ferimentos que resistem à cicatrização.

Elas agem na ferida por meio de quatro mecanismos: removem o tecido necrosado (morto), rompem o biofilme bacteriano (uma comunidade de microrganismos extremamente organizada que interfere muito no processo de reparação da ulceração), promovem o crescimento de tecido sadio e eliminam bactérias que causam a infecção.

Apesar de parecer repulsivo para muita gente, o tratamento tem se mostrado em alguns casos mais eficiente do que os medicamentos e cicatrizantes tradicionais.

"Todos os nossos pacientes que usaram a terapia apresentaram melhoria significativa do processo infeccioso, tiveram suas feridas 'limpas' com rapidez, relataram que o odor (mau cheiro) da lesão desapareceu nas primeiras aplicações", garante Julianny Barreto Ferraz, enfermeira presidente da Comissão de Curativos do HUOL, onde o procedimento é usado desde 2012.

"Usamos as larvas da mosca da espécie Chrysomya megacephala, encontradas em todo o território brasileiro", diz.

Em São Paulo, a pesquisadora colombiana Andrea Diaz Roa, doutoranda no Laboratório Especial de Toxinologia Aplicada do Centro de Toxinas, Resposta-Imune e Sinalização Celular (CeTICS), um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), vem realizando, desde 2015, pesquisas com larvas de outra espécie, a Sarconesiopsis magellanica.

Fonte: BBC.com/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

20°C

Amanhã

Depois

Hoje

24°C

Amanhã

Depois

Hoje

16°C

Amanhã

Depois

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

14°C

Amanhã

Depois

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

14°C

Amanhã

Depois

Hoje

16°C

Amanhã

Depois

Hoje

22°C

Amanhã

Depois

Hoje

15°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

19°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

19°C

Amanhã

Depois