Outras modalidades

Mercedes: Ordens de equipe da Ferrari podem “abrir precedente”

dd

Chefe da equipe alemã diz que time pode querer inverter seus carros em todas as corridas se piloto mais veloz estiver atrás

O chefe da equipe Mercedes, Toto Wolff, acredita que a Ferrari corre o risco de abrir "um precedente" ao ordenar que seus pilotos troquem de posições.

No início do GP da China, a Ferrari ordenou a Charles Leclerc que deixasse Sebastian Vettel passar. O alemão foi nomeado pela equipe como seu líder padrão na busca por seu primeiro título desde 2008.

A Ferrari fez isso porque Leclerc parecia estar mais lento que Vettel, que parecia mais capaz de lutar com as Mercedes.

Wolff disse: "essa é uma situação complicada, porque você quer que seu carro mais rápido vá à caça de seus oponentes, e Sebastian disse que ele tinha o carro mais rápido naquele estágio da prova, e eles reverteram a ordem dos carros. Eu posso entender isso”.

"No entanto, quando você começa a fazer essas coisas, se torna muito complicado e você abre um precedente, abre uma lata de minhocas. Então você pode ter que começar em toda corrida a ter que inverter os seus carros se o de trás estiver mais veloz. Então, não é uma situação fácil e nós já estivemos nela, com Nico Rosberg e Lewis Hamilton, e com Valtteri Bottas também."

A Mercedes atuou decisivamente no final da temporada passada em termos de ordens de equipe, principalmente no GP da Rússia, onde o líder da corrida, Bottas, foi orientado a deixar Hamilton, que era pressionado por Vettel, passar.

Na China, a Mercedes protegeu seu resultado, parando com Hamilton e Bottas na mesma volta, o que Bottas disse que acabou com qualquer chance que ele tinha de lutar contra seu companheiro de equipe pela vitória.

"Tivemos uma situação hoje em que eles estavam se esforçando muito e assumindo um risco para potencialmente não terminar a corrida", disse Wolff. "Não é um problema da Ferrari apenas, cada equipe tem esse problema se você tem dois pilotos alfa."

A corrida de Leclerc acabou gravemente comprometida na China, com a ordem inicial da equipe, levando-o a ficar atrás de Max Verstappen também.

Ele foi incapaz de lutar contra o piloto da Red Bull porque a Ferrari, em seguida, estendeu seu segundo stint enquanto avaliava mantê-lo em uma estratégia de uma parada.

Leclerc finalmente parou novamente, mas perdeu muito tempo para Verstappen e não conseguiu se recuperar. O chefe da equipe da Red Bull, Christian Horner, disse que Leclerc foi deixado na pista no segundo stint, mas apenas porque a Red Bull forçou tal estratégia.

"Não acho que nós tivemos um carro mais rápido que a Ferrari hoje, nossa melhor maneira para derrotar pelo menos um dos carros deles era fazer duas paradas", disse Horner.

"Isso provocou uma discussão entre Sebastian e seu pitwall sobre se eles iriam parar ou não. Mas no final eles cobriram Verstappen. A Mercedes teve que cobrir Vettel, e Leclerc foi deixado na pista."

Fonte:F1/RM

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo