Outras modalidades

Mercedes: déficit para a Ferrari vai além do motor

dd

Após a vitória de Sebastian Vettel na Bélgica, em uma pista em que a Mercedes era tradicionalmente forte, as esperanças da equipe italiana de título foram revigoradas, de modo que ela chega à corrida em Monza como favorita.

Apesar de muito foco ter sido colocado na vantagem apresentada em velocidade de reta, o que permitiu que Vettel superasse Lewis Hamilton na volta de abertura da prova, a Mercedes acha que há uma série de fatores chave em que a equipe está atrás da concorrente.

Toto Wolff, chefe da Mercedes, disse: “Quando olho para a corrida, vejo muitos déficits. Somos uma equipe forte, mas há déficits que são óbvios e fazem com que não tenhamos o rendimento que esperamos.”

Questionado para dar mais detalhes, ele disse: “Vocês podem ver os déficits. São nas velocidades mais baixas e na tração. É assim que eu resumiria como a maior fraqueza do momento.”

“Além de que, comparado à Ferrari, Red Bull e Force India, somos o carro que estava cozinhando mais os pneus.”

Vantagem de potência

Wolff está convencido de que o que classifica como uma “inovadora” Ferrari segue à frente em termos de potência após ambas as fabricantes introduzirem suas últimas atualizações de motor na Bélgica.

Ele também destacou que o comentário feito por Hamilton, de que a Ferrari contava com “truques “em seu carro, não era uma sugestão de que a rival estava infringindo as regras.

“Eles [Ferrari] têm uma vantagem de potência. Vimos isso na classificação, em que a vantagem de potência deles está em várias partes da reta, e vemos que, mesmo que a saída de curva deles fosse pior que a nossa, o motor continuava abrindo vantagem.”

“Isso não é nada que possa ser um truque. Isso pode estar relacionado a como você usa o motor, como você o calibra. Mas, da mesma forma, eles entraram em modo de coleta de energia mais cedo em classificação do que nós.”

“Então, sim, podemos ver que eles têm uma leve vantagem de potência, e aí você acrescenta isso à nossa fraqueza na saída da curva 1. Isso causa um golpe duplo. Se você não é muito bom em tração e está sendo superado na potência, aí acontece o que aconteceu na volta 1.”

Apesar de a Mercedes não poder mais introduzir mudanças no motor sem que isso desencadeie uma punição, Wolff acredita que ainda há margem no regulamento para reduzir a diferença para a Ferrari.

“Trata-se de entender sua unidade de potência e calibrar, extrair tudo de performance do software, do combustível, otimizando toda a forma com que você usa o motor. Isso é algo que não envolve mudanças físicas e é um processo constante. Então, a resposta é sim, podemos encontrar performance.”

“Não há solução mágica. Não vamos encontrar performance que, de repente, irá acrescentar 0s3 ao carro, ou ao motor, e nos fará desaparecer.”

A Mercedes pretende introduzir uma nova atualização aerodinâmica para o GP da Itália, neste fim de semana.

Fonte: F1/RM

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

20°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

15°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

17°C

Amanhã

Depois

Hoje

15°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

13°C

Amanhã

Depois

Hoje

20°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

20°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

20°C

Amanhã

Depois

Hoje

19°C

Amanhã

Depois

Hoje

23°C

Amanhã

Depois

Hoje

21°C

Amanhã

Depois

Hoje

18°C

Amanhã

Depois