Outras modalidades

Hamilton sobre pilotar pela Ferrari no futuro: "O tempo dirá"

dd

Pentacampeão destacou boa relação que possui com a Mercedes e disse que pode se aposentar na equipe alemã

Após conquistar quatro títulos pela Mercedes e estar perto do quinto, Lewis Hamilton vê seu contrato com a equipe chegando ao fim e pode estar perto de realizar o sonho de correr pela Ferrari na Fórmula 1. No entanto, quando perguntado se poderia vestir as cores da equipe de Maranello, o pentacampeão desconversou e disse que “o tempo dirá”.

Em entrevista ao Motorsport.com Hamilton valorizou a relação que possui com a Mercedes e disse que trocar o time alemão por outra equipe é algo que demandaria começar uma nova relação do zero.

Questionado se já havia imaginado pilotar por outras equipes, o britânico disse: “Eu naturalmente imagino isso, mas sei quanto tempo leva para construir o que tenho com a Mercedes”.

“Quando me juntei ao time, era um ambiente de mente muito aberta que estava em uma fase de crescimento, foram anos adicionando tijolos para construir o que temos hoje”.

“Sei que em outros lugares eu teria que ajudar a construir algo com quem quer que fosse, porque provavelmente o time não teria a configuração daqui, que me permite atuar da forma como faço”.

Em seguida, o pentacampeão explicou a diferença entre o ambiente que tinha na McLaren e o que encontrou na Mercedes, quando se transferiu para a equipe alemã, em 2013.

“Na McLaren havia essas pequenas coisas, como por exemplo: na garagem, quando eu chegava, não havia lugar para meu capacete; eu estava sempre no caminho dos mecânicos. Precisava me preparar, mas tinha que ficar me movendo. Coisas pequenas assim, muito pequenas, não tão importantes, mas que fazem diferença na sua preparação para entrar no carro”.

“E quando cheguei na Mercedes mudamos isso: me deram um lugar para me sentar. Minha sala é próxima a dos engenheiros. São detalhes muito pequenos”.

O inglês falou ainda sobre a dificuldade de estabelecer uma relação de confiança e diálogo aberto com pessoas em uma nova equipe.

“Também há a questão das pessoas, porque com frequência os engenheiros são teimosos, muito presos ao que pensam e dizem coisas como: ‘os dados dizem que devemos seguir nesse caminho, fazemos isso a 20 anos e é assim que fazemos isso’. Mas as vezes você precisa chacoalhar eles e dizer: ‘não, vamos tentar fazer diferente’”.

“E leva tempo para quebrar esse gelo. Então se eu for para outra equipe, eles pensariam: ‘quem é esse cara me dizendo para fazer meu trabalho de outro jeito’? Mas você precisa criar uma relação com eles, para que confiem em você e possam trabalhar juntos, combinar seu DNA e suas mentes, para criar novos caminhos”.

Perguntado sobre existe a possibilidade de terminar a carreira correndo pela Mercedes, sem jamais realizar o sonho que já assumiu ter, de guiar pela Ferrari, Hamilton respondeu: “Eu acho que sim”.

“Quando você é parte da Mercedes, é parte da família para a vida toda. Então estou 100% certo de que poderia terminar minha carreira aqui e ficar feliz”.

“Eu dirigia Ferraris nas rodovias. Vou ficar chateado se nunca pilotar uma Ferrari? Acho que não dá para se preocupar com o desconhecido”.

No entanto, o líder do campeonato não escondeu sua admiração pela escuderia de Maranello e deixou o futuro em aberto.

“Eu vejo o carro da Ferrari, amo a cor, vejo a paixão da torcida, a empolgação do time quando eles descem do pódio. É diferente de qualquer outra equipe. Mas algumas coisas devem ser como são, e não sei se isso está nos planos para o meu futuro. O tempo dirá”.

Fonte:F1/RM

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo