Outras modalidades

Falta de 16 mil dólares pode afastar estrangeiros da São Silvestre

dd

A falta de 16 mil dólares norte-americanos para pagamento de prémios aos corredores estrangeiros, em ambos os sexos, pode afastar a vinda destes para a disputa da 64ª edição da corrida pedestre de final de ano, denominada São Silvestre, cujo tiro de largada é dado às 17h00 do dia 31 do corrente, no Largo da Mutamba, em Luanda.

m declarações ao programa Clube Angola da Rádio 5, canal desportivo da Radiodifusão Nacional de Angola (RNA), o presidente da Federação Angolana de Atletismo (FAA), Bernardo João, disse estar a trabalhar no sentido de conseguir o montante para garantir a vinda de corredores forasteiros.

Na ocasião, o número um da federação garantiu ter sido criado um plano B pela instituição que lidera. “Caso não seja conseguido o valor pretendido, vamos fazer uma corrida apenas com atletas nacionais. Esta não é a nossa intenção, razão pela qual estamos a trabalhar no sentido de conseguirmos trazer estrangeiros. Já temos inclusive 30 lugares disponíveis numa unidade hoteleira da capital”, deu a conhecer.
Quanto ao anúncio em definitivo da presença de atletas de outras paragens na principal prova do calendário de competições daquela entidade, Bernardo João garantiu: “dia 27, em conferência de imprensa, às 16h00, no Edifício Kilamba, na Marginal, daremos a resposta. Até lá, ainda temos alguns dias.”
Pinto Diogo, professor de Educação Física, quando questionado acerca da ausência de estrangeiros, emitiu a seguinte opinião: “tecnicamente, não há problema algum, caso não venham. Mas é positivo dar cariz internacional à prova, ainda que seja apenas com um corredor.”
A chegada das delegações estrangeiras está prevista para o dia 28 e a partida para 2 de Janeiro. As instalações do Instituto de Formação da Administração Local (IFAL) vãi servir para alojamento das distintas delegações nacionais e estrangeiras.
Para esta edição, foram convidados fundistas de Portugal, Brasil, Quénia, Etiópia, Eritreia, Uganda, São Tomé e Príncipe, África do Sul, Botswana, Malawi, Moçambique, Namíbia e Zimbabwe
A corrida de 2018 foi ganha pelo queniano Mukua Nyudusi, com o tempo de 30 minutos e 20 segundos. O angolano Alexandre João, do Interclube, foi terceiro com 35 minutos e 53 segundos.
Em femininos, conquistou a primeira posição a etíope Beyanesh Ayele, ao cronometrar 33:56, à frente da angolana Adelaide Machado, 36:42. A São Silvestre deste ano está orçada em 66 milhões de kwanzas.
Percurso e inscrições
O estado de algumas das artérias do percurso também mereceu abordagem. Pinto Diogo assegurou: “foi-nos dada a garantia, quer do Governo Provincial quer da Comissão Administrativa da Cidade de Luanda, que as anomalias registadas serão solucionadas até ao dia 27. No dia seguinte, às 8h00, vamos fazer a última vistoria.”
As inscrições para a corrida, com mais de 1700 pessoas de ambos os sexos registadas até ontem, terminam amanhã no final do dia, apurou o Jornal de Angola, de fonte da FAA.
Com início no passado dia 12 de Novembro, a taxa de inscrição é de 600 kwanzas. Os locais de inscrições são a sede da federação, na Urbanização Nova Vida, na Cidadela Desportiva, Casa da Juventude de Viana e lojas da Sport Zone na Centralidade do Kilamba.
Ao contrário das edições anteriores, onde foram utilizados “chips” personalizados e distribuídos aos concorrentes a título devolutivo, este ano estes são descartáveis.
A corrida mantém o percurso de 10 quilómetros, com largada no Largo da Mutamba, passando pela avenida Amílcar Cabral, rua Revolução de Outubro, avenida Ho-Chi Min, Largo das Heroínas, Alameda Manuel Van-Dúnem, avenida dos Combatentes, Largo do Kinaxixi, rua da Missão, Cirilo da Conceição e avenida 4 de Fevereiro.

Fonte: JA/LD

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo