Futebol Nacional

D’Agosto e Petro preparam jornada das Afrotaças

dd

A terceira jornada da Liga dos Clubes Campeões Africanos de futebol coloca os colossos angolanos, 1º de Agosto e Petro de Luanda, diante de um exigente teste à capacidade competitiva para brilhar na elite continental, desafio que leva as equipas a redobrarem a entrega no trabalho, em pleno ambiente de Natal.

 O duplo compromisso do final de semana tem início na sexta-feira, quando os "militares" do Rio Seco receberem às 17h00, no Estádio Nacional 11 de Novembro, o TP Mazembe do Congo Democrático, e termina no sábado, com a visita dos petrolíferos do Eixo Viário, às 20h00, ao Wydad Casablanca de Marrocos, equipa orientada por Zoran Maki, técnico sérvio conhecido no país. 

Pressionados pelo facto de ocuparem a última posição do Grupo A, com apenas um ponto somado, em seis possíveis, os rubro e negros, tetra-campeões do Girabola às ordens do bósnio Dragan Jovic, estudam formas de contrariar a força do representante congolês-democrata, um dos principais candidatos à conquista do título africano, aposta do seu proprietário, o empresário e político Moise Katumbi, como forma de assinalar os 80 anos de existência do clube.
Afastado do comando do Campeonato Nacional, pelo arqui-rival, o 1º de Agosto volta a treinar hoje de manhã, em ritmo normal. A capacidade de pressão do meio campo e o lançamento do ataque são pechas marcantes na prestação da equipa nas Afrotaças, daí o empate caseiro (1-1), na estreia frente ao Zesco United da Zâmbia, e a derrota (0-2), no reduto do Zamalek do Egipto.
O regresso de Macaia, ausente dos últimos quatro jogos, por lesão, tranquiliza a equipa técnica, que pode assim montar uma parelha de médios com Mário, apoiada por Mongo e Atouba. Em claro ascendente de forma, Ary Papel deve continuar a escoltar Mabululu, no ataque à baliza do TP Mazembe, cujo destaque do plantel é o jovem Jackson Muleka, melhor marcador da prova, com quatro golos apontados.
A equipa a cargo de Pamphile Mihayo Kazembe, autoritária na série, por força dos triunfos sobre o Zamalek (3-0), em casa, e Zesco 2-1, fora, registou um abrandamento, ao perder (0-1) frente ao Rangers e empatar (1-1) no reduto do Renaissance, para a Liga do Congo Democrático, que lidera isolada com 36 pontos, em 15 jornadas, seguida pelo Motema Pembe (14 jogos) e Vita Club, ambos 28 pontos.

Liderança do Girabola motiva petrolíferos em África

No Catetão, reina alegria e muita confiança. A liderança do Girabola, apesar do escasso ponto de vantagem, leva o Petro de Luanda a alargar horizontes no Grupo C, de modo a abandonar a última posição, mudança que espera começar a fazer já sábado, nos domínios do Wydad Casablanca.
Personalidade e coragem é o que se pede à equipa comandada pelo espanhol Antonio Cosano, técnico confrontado com a “dor de cabeça” saudável de gerir um plantel de atletas motivados e desejosos de competir. Da baliza ao ataque, regista-se grande concorrência pela titularidade, disposição que explica o ciclo de 12 jogos sem perder, apenas um empate, na prova doméstica.
Sem tempo para prolongar os festejos natalinos, os tricolores voltam a treinar hoje e amanhã no período matinal, antes da viagem à tarde, em voo fretado. A pálida imagem deixada no desaire (0-3), diante do Mamelodi Sundowns da África do Sul, em Pretória, e a igualdade (1-1) consentida ao USMA da Argélia, no 11 de Novembro, fazem parte do passado.
Com mais minutos de utilização, ultrapassado o período conturbado motivado pelo impasse na renovação do contrato, Herenilson surge como pêndulo para o equilíbrio das disputas na zona intermédia, numa estrutura que pode ser alargada por Além e Dany, o último a servir o ataque, onde é chamado a explorar a capacidade de remate à entrada da área.
Terceira colocada do grupo, depois de dois empates, a equipa de Zoran Maki baixou à segunda posição na Liga marroquina, 19 pontos, atrás do Berkane, 20, mercê da derrota (0-1), no clássico diante do Raja, quarto, 17 pontos e menos um jogo. Resta saber de que forma o técnico sérvio vai encarar o árbitro zambiano Janny Sikazwe, de quem guarda as piores recordações da eliminação do 1º de Agosto, na discussão das meias-finais com o Esperance de Tunis, há duas épocas.

Fonte:JA/JS

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo