Futebol Internacional

Cristiano Ronaldo assume fraude fiscal e deve pagar multa e 23 meses de prisão suspensa

dd

Foto: © REUTERS / Susana Vera

Foto: © REUTERS / Susana Vera

Cristiano Ronaldo comparece ao Tribunal de Madrid para esclarecer os crimes por fraude fiscal.
Após elaborar um requerimento ao juiz presidente para chegar e acessar ao tribunal diretamente pela garagem do edifício, o jogador português entrou pela porta da frente do tribunal e assumiu a culpa por quatro crimes de fraude fiscal, cometidos durante sua passagem pelo Real Madrid, quando foi acusado de fraudar cerca de € 14,7 milhões (R$ 62.7 milhões). Cristiano Ronaldo deixou o local pouco mais de uma hora após sua chegada, nesta terça-feira (22), conforme o portal Sapo.

O requerimento enviado ao juiz presidente foi negado, obrigando o jogador chegar pela porta da frente, onde havia uma grande quantidade de pessoas e aparatos. A defesa do jogador pediu à Audiência Provincial de Madrid para adotar medidas de segurança no acesso ao edifício, o que incluiria a entrada e a saída do jogador pela garagem do edifício.

Segundo o jornal El Mundo, mesmo reconhecendo a "notoriedade" do jogador da Juventus, o juiz Juan Pablo González-Herrero considerou que a segurança do jogador não seria comprometida, caso chegasse pela porta da frente do tribunal, recusando o requerimento por parte do jogador, que solicitava uma entrada e acesso pela garagem do edifício.

Após a leitura do acordo de conformidade, que prevê que Cristiano Ronaldo pague a multa e as despesas gastas pelo Ministério Público espanhol na investigação, além do valore inicial pendente ao governo espanhol, Cristiano Ronaldo deve pagar cerca de € 18,8 milhões (R$ 80 milhões) e 23 meses de prisão, com pena suspensa.

Cristiano Ronaldo chegou acompanhado de sua namorada, Georgina Rodríguez, além disso, no momento de sua chegada, distribuiu autógrafos aos fãs presentes no local, durante sua saída, segundo o portal Observador.

Vale ressaltar que o jogador aceitou em junho de 2018 declarar-se culpado pelos seus crimes fiscais.

Fonte: Sputnik / EB

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo