Futebol Internacional

Angola vai beneficiar de seis milhões de dólares da FIFA

dd

PRESIDENTE DA REPÚBLICA, JOÃO LOURENÇO (À DIR.) RECEBE EM AUDIÊNCIA GIANNI INFANTINO, PRESIDENTE DA FIFA

Foto: Francisco Miúdo (Angop)

PRESIDENTE DA REPÚBLICA, JOÃO LOURENÇO (À DIR.) RECEBE EM AUDIÊNCIA GIANNI INFANTINO, PRESIDENTE DA FIFA

Foto: Francisco Miúdo (Angop)

Angola vai beneficiar de seis milhões de dólares norte-americano para projectos de desenvolvimento nos próximos quatro anos, anunciou o presidente da Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA).

Gianni Infantino, que se encontra desde a tarde desta quinta-feira no país, anunciou este facto em declarações à imprensa, após audiência concedida pelo Presidente da República, João Lourenço.

Afirmou que os apoios serão aplicados em programas de desenvolvimento em infra-estruturas para o futebol jovem e  futebol feminino mediante apresentação de projectos.

O responsável elogiou os jogadores da selecção de Angola em Sub-17, que participou recentemente no Campeonato do Mundo, disputado no Brasil.

"Os atletas angolanos jogaram muito bem, por isso temos uma base, e vamos trabalhar para o crescimento da modalidade “, referiu.

Relativamente a auditoria feita pela FIFA às contas da Federação Angolana de Futebol (FAF), Infantino manifestou-se satisfeito com os resultados do trabalho.

Na audiência, o presidente do órgão reitor do futebol no mundo ofereceu lembranças ao Chefe de Estado Angolano.

Integram a delegação da FIFA, entre outros, a Secretária-geral Fatma Diouf Samoura, do Senegal, o presidente da Confederação Africana de Futebol (CAF), Ahmed Ahmed, do Madagáscar, além do ex-internacional camaronês Samuel Eto'o.

Nascido em Briga, na Suíça, a 23 de Março de 1970, Gianni Vincenzo Infantino dirige a FIFA desde 26 de Fevereiro de 2016, tendo sido antes secretário-geral da União Europeia de Futebol (UEFA), de 2009 a 2016.

O advogado torna-se no segundo presidente da Federação Internacional de Futebol Associado a visitar Angola, depois de Joseph Blater em Janeiro de 2010, por ocasião da Copa Africana das Nações (CAN).

Antes de Angola, Infantino trabalhou na Gâmbia, no Senegal, na Guiné Conacry, no Congo Kinshasa e em Moçambique, no quadro de um périplo pelo continente para auscultação e apoio aos filiados.

Fonte: Angop/AF

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo