Basquetebol

Jogadores para o Mundial da China estão indicados

dd

A base de jogadores a ser convocada pelo seleccionador nacional sénior masculino de basquetebol, William Bryant Voigt, para defender as cores de Angola na 18ª edição da doravante designada Copa do Mundo, está praticamente definida, apurou o Jornal de Angola.

Do leque de opções do técnico, de 42 anos, constam os 19 atletas que disputaram as quatro janelas do Torneio Africano de Qualificação, nos grupos C e E, rumo à cimeira da bola ao cesto mundial. Desta, podem perfilar, por terem sido totalistas, Gerson Domingos (base), Jacques “Leandro” Conceição (extremo-base), Reggie Moore e Leonel Paulo (extremo-postes) bem como Yannick Moreira e Hermenegildo Mbunga (postes).
A estes, devem juntar-se ainda Carlos Morais, Olímpio Cipriano e Gerson “Lukeny” Gonçalves (presentes em três janelas), Alexandre Jungo, Pedro Bastos e Mohamed Malick Cissé (duas), José António, Felizardo Ambrósio, Jone Pedro, Júlio Afonso e Edson Ndoniema (uma).
Também com uma comparência mas em situação mais complicada, para entrar nas contas de Voigt, estão Hermenegildo Santos (base) e Eduardo Mingas (poste), este último já com 39 anos e prestes a completar 40, a 29 de Janeiro, portanto, quase em final de carreira.
A lista deve ser engrossada com a presumível disponibilidade de grande parte dos jogadores que militam em universidades norte-americanas e seleccionados em ocasiões anteriores por William Bryant.
Bruno Fernando, Sílvio Sousa, Rifen Miguel, Valdir Manuel e Selton Miguel também podem merecer uma oportunidade do seleccionador. Em aberto, está ainda a possibilidade de Valdelício Joaquim, poste de 2,08 me-tros, voltar a ser chamado. O atleta não tem respondido às convocatórias muito por culpa da dispensa, em 2017, dos trabalhos da Selecção Nacional, alegadamente por indisciplina.
No final da quinta janela, em declarações à imprensa, o treinador deixou a porta entreaberta para o reforço da equipa, mas, salientou, “não podemos nos esquecer nem tão pouco deixar de parte os jogadores que nos ajudaram a materializar o objectivo. Eles foram muito importantes”.
Questionado acerca do que se pode esperar de Angola no mundial, sobretudo depois da célebre participação em 2006, no Japão, onde conquistou a nona posição, o treinador de nacionalidade norte-americana fez um apelo: “espero que o Governo nos dê o apoio necessário, pois, só assim poderemos aspirar a coisas boas”.
Sob a batuta de Will Voigt, o combinado angolano disputou 12 partidas, ganhou nove e perdeu três, perfazendo um total de 21 pontos, ocupando deste modo a segunda posição na tabela classificativa do Grupo E.
Angola vai marcar presença num mundial pela oitava vez, depois da estreia em Espanha, em 1986. A seguir esteve na Argentina (1990), Canadá (1994), Canadá (1996), Estados Unidos (2002), Japão (2006), Turquia (2010) e Espanha (2014).
A primeira edição da prova foi organizada em 1950 e ganha pela Argentina (até hoje conta apenas com uma conquista), após vitória na final sobre os Estados Unidos. A Jugoslávia, campeã pela última vez em 2002, e os Estados Unidos, dominador nos últimos 16 anos, são os países mais vezes campeões, com cinco títulos cada um.

Fonte: JA/BA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PUBLICIDADE
voltar ao topo

o tempo